domingo, 03 de março de 2024
domingo, 03 de março de 2024
Cabo Frio
23°C
Park Lagos mobile
Geral

Fórum de Segurança Pública da Região dos Lagos reúne autoridades do setor em Cabo Frio

Evento é realizado pela Associação Comercial, Industrial e Turística (Acia)

24 maio 2019 - 12h30
Fórum de Segurança Pública da Região dos Lagos reúne autoridades do setor em Cabo Frio

Foi realizado nesta sexta (24) o I Fórum de Segurança Pública da Região dos Lagos. Diversas autoridades municipais, estaduais e federais se reuniram no Hotel Paradiso Corporate, no Braga, para discutir o tema. O evento foi organizado pela Associação Comercial, Industrial e Turística (Acia) de Cabo Frio.

– Pedimos atenção urgente não só para Cabo Frio e Tamoios, mas para para toda Região dos Lagos. Temos feito uma atuação intensa com sete grupos de segurança. A polícia sempre está de prontidão para ajudar, mesmo com todos os problemas. Agora, cada um de nós precisa pensar em melhorias – afirmou Patricia Cardinot, presidente da Acia.

O prefeito de Cabo Frio, Adriano Moreno, destacou as ações recentes realizadas pelo município. Entre elas, o estudo de um projeto de monitoramento, com 18 totens espalhados pela cidade.

– Pedimos um estudo de monitoramento de câmera, com visão de 360 graus, em 18 totens da cidade, para fazer reconhecimento de face. Vamos fazer isso em parceria com a Polícia Militar, que já nos informou onde são os grandes bolsões de violência – afirmou Adriano. 

– Temos procurado levar as crianças para praticar esporte no contraturno. Esporte também é inclusão social. E tira a criança da ociosidade. Precisamos, além de tudo, de gerar emprego. Através do nosso aeroporto, vamos criar nosso condomínio logístico. Vamos desapropriar uma área imensa, em parceria com o governo do estado, e criar o condomínio logístico –continuou o prefeito. 

Um relatório sobre os pontos discutidos no fórum será levado ao governador Wilson Witzel, disse o secretário estadual de Turismo, Otávio Leite.
– Precisamos fazer uma discussão aberta e transparente sobre os rumos da segurança. Todos sabemos das dificuldades do Rio de Janeiro, mas é preciso olhar para frente.

É a hora de união de esforços entre municípios e governo do estado, pontuou o líder da bancada do PSL na Assembleia Legislativa (Alerj), o deputado Serginho Azevedo.

– De uma maneira imediata, sabemos que é a polícia que resolve o problema de segurança pública, mas, em médio e longo prazo, sabemos que é necessário que a cidade dê condições mínimas de trabalho e de vida para os nossos adolescentes e adultos, além de acesso à cultura, educação e lazer.

O assessor especial de Witzel, Roberto Motta, especialista em segurança pública, sublinhou os números que apontam a gravidade do problema de segurança no país. 

– Estamos entrando para 60 mil homicídios por ano. Esse é o mundo antigo, onde imperava a impunidade, onde a culpa do crime nunca é do criminoso, mas da educação, da iluminação.

Já o procurador Marcelo Rocha Monteiro fez palestra sobre os mitos envolvendo a segurança pública. 
– De cada 100 assassinatos, descobrem-se oito criminosos. São presos os 8? Não, são apenas descobertos. E aí o especialista de segurança pública diz na televisão que se prende muito no Brasil – criticou.

Reportagem da Folha publicada ontem, com base nos números do Instituto de Segurança Pública (ISP),  revelou que em Cabo Frio o percentual de mortes violentas cresceu cerca de 30% nos últimos oito anos. Na Região dos Lagos, esse número sobe para alarmantes 67%. Por mortes violentas entenda-se o que as autoridades de segurança apontam como letalidade violenta, que é o somatório das quantidades de homicídios dolosos (com intenção de matar); latrocínios (roubos seguidos de morte); lesões corporais seguidas de morte e intervenções policiais que resultem em morte.