Assine Já
quinta, 03 de dezembro de 2020
Região dos Lagos
30ºmax
21ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 12983 Óbitos: 554
Confirmados Óbitos
Araruama 2519 121
Armação dos Búzios 1460 21
Arraial do Cabo 427 16
Cabo Frio 3851 182
Iguaba Grande 1197 41
São Pedro da Aldeia 1997 79
Saquarema 1532 94
Últimas notícias sobre a COVID-19
Uber

Debate deixa Uber na berlinda

Maioria dos participantes condena atuação da empresa nos atuais moldes

20 janeiro 2017 - 02h46Por Texto e foto: Rodrigo Branco
Debate deixa Uber na berlinda

 De tão acalorada, a discus­são sobre o aplicativo Uber, que abriu ontem a série ‘Folha Debates’, extrapolou em mais de meia-hora o horário previs­to para o término. Aos poucos, o auditório do jornal foi sendo tomado pelo público, ávido por falar o que pensa sobre a polê­mica modalidade de transporte recém-chegada a Cabo Frio. O encontro, mediado pelo jorna­lista Filipe Rangel, contou com a participação de representantes da Prefeitura, vereadores, advo­gados e membros de associações de taxistas, categoria que com­pareceu em massa ao evento. Também convidado, o Uber não enviou representantes.

Profissionais mais interessa­dos no assunto, os motoristas de praça foram unânimes em defender a proibição do serviço, considerados por eles como uma concorrência desleal. De outro lado, representantes da esfera jurídica, apesar de concordarem com a tese dos taxistas, alertam que o serviço não é ilegal, pois tem encontrado respaldo em de­zenas de sentenças favoráveis nos tribunais pelo país afora, in­clusive no Rio e em São Paulo. Consenso entre os convidados só que o atual modelo, sem o recolhimento de impostos e sem obediência à qualquer legisla­ção, não pode continuar.

– A concorrência tem pon­tos positivos, mas não podemos aceitar isso da forma que está. Tem que haver uma regulamen­tação – disse a vice-presidente da OAB de Cabo Frio, Alice Brum.

Definindo-se como um ‘libe­ral’, o subsecretário municipal de Mobilidade Urbana, Mauro Branco, defendeu a regulação pública para o caso do Uber. Ele defendeu a concessão de novas autonomias de táxi, caso um es­tudo indique que houve aumento da demanda de passageiros. Por fim, o subsecretário afirmou que o modelo aplicado pela empresa, de tarifas abaixo dos custos de manutenção para quebrar a con­corrência, não tem sustentabili­dade financeira a longo prazo.

– A perspectiva em médio pra­zo é o de sucateamento da frota, em que Uber vai apurar o lucro, e sem nenhum passivo, sai. E o que fica para cidade é ônus – co­mentou.

 

Audiência pública a caminho

Representante do Sindicato dos Taxistas, Josemário Morei­ra, o Baiano, foi taxativo ao di­zer que é contra a legalização do aplicativo na cidade. Em maior escala, ele comentou que esteve recentemente em Brasília para fazer lobby junto aos deputados a fim de aprovar o projeto de lei que proíbe o Uber em todo país, cuja votação está prevista para março. Garantindo que vai ‘lutar até o final’, Baiano destacou que o transporte feito por particulares não traz garantias nem segurança para os passageiros, mas também reconheceu que há deficiências no serviço oferecido pelos táxis e também na divulgação dos apli­cativos exclusivos de taxistas.

– Tem 251 táxis hoje em Cabo Frio. São 380 motoristas. A frota hoje merece mais 47 li­cenças, o prefeito e o secretário é que vão analisar isso aí. A lei diz que são 700 habitantes para um táxi e Cabo Frio tem hoje mais de 200 mil habitantes. A gente tem uma carência e preci­sa melhorar o serviço – admite.

Criticado por ter apresentado na Câmara um projeto de lei que proíbe o Uber sem ouvir a popu­lação, o vereador Vanderlei Ben­to (PMB) firmou a posição ante­rior, mas reconheceu que errou ao não abrir inicialmente o tema para discussão popular. Ele disse que já pediu a realização de uma audiência pública para discutir a questão, mas manteve-se irredu­tível no apoio aos taxistas.

– Não sou contra o Uber, sou contra a ilegalidade. Se não quer estar sujeito às nossas leis que não venham para o nosso país – disse sobre a empresa, cuja ma­triz fica nos Estados Unidos.

Também presente, o presi­dente da Câmara, Aquiles Bar­reto (SD) não estipulou data para a audiência, mas apoiou a iniciativa.

– O melhor caminho é o deba­te com a sociedade – comentou.

E como ela debateu. Debateu tanto que o mediador Filipe Ran­gel teve que pedir para que as intervenções do público fossem mais breves para que todos pu­dessem falar. Pelo visto, o assun­to e a polêmica ainda vão longe.