Assine Já
terça, 02 de março de 2021
Região dos Lagos
29ºmax
22ºmin
Tropical
Tropical mobile
TEMPO REAL Confirmados: 26908 Óbitos: 924
Confirmados Óbitos
Araruama 6793 183
Armação dos Búzios 3238 32
Arraial do Cabo 865 38
Cabo Frio 7468 356
Iguaba Grande 2542 56
São Pedro da Aldeia 3551 126
Saquarema 2451 133
Últimas notícias sobre a COVID-19
Folha

Folha Debate: Para salvar o Carnaval

Entidades acham que parceria com empresas é melhor alternativa

10 fevereiro 2017 - 01h28
Folha Debate: Para salvar o Carnaval

Nada de confetes, serpentinas e muito menos fantasia. A re­ceita para salvar o Carnaval, se­gundo as entidades que o organi­zam, é pragmática: organização e parcerias. Representantes de blocos, escolas de samba, da Se­cretaria de Cultura e da iniciati­va privada estiveram, na manhã de ontem, na sede da Folha de­batendo os rumos do Carnaval em Cabo Frio. O encontro pode ser resumido – apesar de sua ri­queza de ideias – na fala do se­cretário Ricardo Choppinho:

– Todos sabem que a Prefeitu­ra não vai mais bancar a festa so­zinha. Os blocos têm a recomen­dação de buscar dinheiro junto à iniciativa privada. Vamos dar todo o suporte para eles conse­guirem fazer o Carnaval – disse.

Praticamente todas as ques­tões levantadas durante as duas horas de conversa – que fazem parte da programação do Folha Debate – tinham um denomina­dor comum: de onde virá o di­nheiro para o Carnaval?

Há dois anos, por exemplo, o desfile das escolas de samba não acontece porque a subvenção da Prefeitura é a grande fonte de receita das agremiações; já os blocos foram proibidos de des­filar por questões de logística e, consequentemente, minguados.

Para Radamés Muniz, que é vice-presidente do Convention & Visitors Bureau de Cabo Frio, a resposta reside em parcerias mais sólidas entre os promotores da folia e o empresariado.

– O que há muitos anos vejo em Cabo Frio é que precisa de vontade para querer mudar. É sempre mais do mesmo. Preci­samos entrar com o empresaria­do. O Carnaval de Friburgo tem penetração do empresariado. Aqui todos contribuem com as escolas. Hoje, estamos indo ao privado, o que deveríamos ter feito há 15 anos – afirma.

Radamés pontuou que, por outro lado, deve haver contra­partida do poder público, para o empresariado “não ficar so­brecarregado”. O representante das escolas, Felício Batista, no entanto, diz compreender o mo­mento financeiro do município.

– Fazemos reuniões sema­nalmente e entendemos perfei­tamente o momento financeiro que vive o município. Atende­mos prontamente o pedido do prefeito e do secretário. O sam­ba é parceiro do poder público e da classe de empresários. Nós (escolas de samba de Cabo Frio) chegamos num patamar muito bacana sem onerar o governo. E é para lá que pretendemos voltar da mesma maneira – comenta.

Saindo das escolas de samba e indo para os blocos, a proibi­ção de trios elétricos e da mon­tagem da Arena na Praia do Forte transfigurou o Carnaval de rua da cidade. Antes realiza­do na área central, nas avenidas, agora a folia mudou-se para o Costa Azul Iate Clube, na Arena dos Blocos, que reunirá nomes pirotécnicos como Thiaguinho, Ludmilla e Tuca Fernandes. Pa­rao presidente do Sindicato dos Hotéis e Restaurantes, Carlos Cunha, uma boa iniciativa.

– O que nós queremos é o or­denamento da cidade. Parabeni­zo o secretário por não ter mais trio na orla e por não ter mais dinheiro público envolvido. Não faz sentido alguém criar um blo­co, em que você vende ingressos e abadá, e pedir subvenção à Pre­feitura. O dono recebe duas ve­zes. Tem que buscar patrocínio. Só que não podemos associar nossa marca a um produto de má qualidade. Não digo isso dos blocos, mas da maneira como o Carnaval é feito – explica.

Um dos organizadores da Are­na dos Blocos, Marcelo Agualu­sa aposta que os problemas desse ano podem servir de trampolim para um novo moderlo de Carna­val – mais moderno, mais orde­nado e sem dinheiro público.

– Esse é o segundo ano sem desfile e o primeiro sem trio na praia. Estamos num momento novo. Havia uma ação cível de moradores, a Prefeitura proibiu montar a Arena dos Blocos na Praia do Forte e então nós pro­curamos outro lugar. Alugamos o Costa Azul. Nossa expectativa é ajudar, nunca atrapalhar. Não queremos que a cidade sofra. Mas temos que ter o mínimo de apoio logístico para que a coisa funcione. Não adianta chegar na Gamboa e ver duzentos ambu­lantes na porta – analisa.