Assine Já
segunda, 13 de julho de 2020
Região dos Lagos
28ºmax
16ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Suspeitos: 344 Confirmados: 3388 Óbitos: 196
Suspeitos: 344 Confirmados: 3388 Óbitos: 196
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 274 658 42
Armação dos Búzios X 272 7
Arraial do Cabo 16 84 11
Cabo Frio X 1037 64
Iguaba Grande 12 241 20
São Pedro da Aldeia 10 530 19
Saquarema 32 566 33
Últimas notícias sobre a COVID-19
Prefeito

‘Foi ordem expressa do prefeito’

Após confusão na Roda Cultural, evento desta terça-feira (28) vai discutir o uso do espaço público

23 julho 2015 - 13h44

A ordem para desligar o som da Roda Cultural teria partido diretamente do prefeito de Cabo Frio, Alair Corrêa – pelo menos é o que garantem os organizadores do evento multicultural. Fiscais da Prefeitura apareceram na Praça da Bandeira para interromper as batalhas de rap na noite de anteontem. De acordo com participantes, um servidor chegou a tentar intimidá-los com a ameaça de que “o prefeito disse que eles nunca mais fariam nenhum evento na cidade”. A resposta foi imediata: os artistas mostraram em mãos o ‘Nada Opor’ – documento de autorização do governo para realização da manifestação artística.
De acordo com Felipe Henriques, um dos organizadores, os ânimos estavam calmos na praça, mas a situação esquentou após a “truculenta” ação dos servidores da Postura.
– Os fiscais da Postura apenas cumpriam ordens. A produção conseguiu demonstrar todas as autorizações necessárias. O que acontece é que algum morador do bairro, que tem o contato direto do prefeito, não quer o evento na praça. O Wilson (Lobato), da Postura, explicou que a ordem não era dos fiscais, mas sim do prefeito. A Polícia Militar também foi muito solícita. A única coisa que realmente deixou o ambiente mais tenso foi a declaração do prefeito de que se a roda acontecesse ontem (anteontem), nós não conseguiríamos mais autorização para nenhum evento na cidade – comenta.

A rapper e uma das idealizadoras da roda Taz Mureb estava impaciente com todos os obstáculos colocados pelo Governo Municipal naquela noite.
– Havia um supervisor com os fiscais pedindo o documento de autorização. Apresentei o Nada Opor para ele tanto da Polícia Militar quanto da Ordem Pública. Mas ele me disse que o Nada Opor tinha sido revogado, o que suspenderia o evento. E depois disse que o prefeito mandou acabar com a Roda Cultural – conta.
Ainda segundo a cantora, os conflitos com o governo começaram ainda na semana passada.
– Na semana passada, a Polícia Militar chegou lá na roda e questionou a autorização da Roda Cultural. Eles nos enviaram alguns procedimentos e obedecemos todos eles. Os policiais fizeram ronda pelo bairro e o som não era ouvido em alguns quarteirões. Por isso, tínhamos um requerimento da polícia e outro da Ordem Pública.
Em resposta às represálias, a produção do evento organiza uma edição especial nesta terça-feira. A próxima Roda Cultural será realizada na Praça da Cidadania para debater a utilização do espaço público. Haverá palestras e ‘batalhas do conhecimento’ a partir das 19h.
A Folha tentou confirmar a informação com a Prefeitura por meio da Secretaria de Comunicação, tanto por e-mail quanto por telefone, mas não obteve resposta até o fechamento.