Assine Já
domingo, 28 de novembro de 2021
Região dos Lagos
28ºmax
20ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 53491 Óbitos: 2186
Confirmados Óbitos
Araruama 12497 447
Armação dos Búzios 6580 73
Arraial do Cabo 1754 93
Cabo Frio 15408 901
Iguaba Grande 5564 147
São Pedro da Aldeia 7047 290
Saquarema 4641 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
Geral

Fim do Fundeb em 2020: como será o amanhã?

Dependência da verba federal deixa futuro da Educação incerto

02 dezembro 2017 - 10h01

Um dos pontos que foi mais questionados pelos profissionais da Educação durante a apresentação do orçamento da prefeitura de Cabo Frio para o ano que vem é a grande dependência dos recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) para o pagamento da folha salarial. De acordo com a secretaria de Fazenda, para quitar a atual folha de R$ 12 milhões, é necessário completar R$ 4 milhões de recursos próprios aos R$ 8 milhões (cerca de 67%) que têm sido recebidos do Governo Federal. Uma situação preocupante ao se levar em conta que o Fundeb, criado em 2006, tem data para acabar: 2020.

O Congresso Nacional se movimenta por meio de uma proposta de emenda constitucional (PEC) para tornar o fundo permanente, mas, enquanto isso não acontece, o governo faz as contas para rede não entrar em colapso a partir do último ano da atual gestão. 

O secretário de Fazenda, Clésio Guimarães, admite que hoje é ‘impossível’ viver sem os repasses, mas diz que o governo já trabalha para que no ano que vem ou, no mais tardar, 2019, o município arrecade o suficiente para manter a despesa sozinho 

– Isso (fim do Fundeb) Estamos buscando receitas e tomando várias ações para isso. Estamos fazendo o recadastramento imobiliário e lançando os imóveis construídos por meio do geoprocessamento. É um trabalho de formiguinha que vai surtir resultado só daqui a algum tempo – diz.

Já para a diretora do Sindicato dos Profissionais da Educação (Sepe Lagos), Denise Teixeira, faltou planejamento ao governo. Segundo ela, o município não se prepara para o fim do Fundeb.

– Quando essa verba acabar, o município vai sofrer o que aconteceu quando os royalties diminuíram. Tratam como se o Fundeb fosse acabar de repente, mas não vai – critica a sindicalista.

Pela legislação, cada município tem que gastar no mínimo 60% do Fundeb para folha de pagamento. Atualmente, Cabo Frio usa totalmente o recurso. Nesse contexto, outra preocupação é com a queda em 20% no orçamento da pasta para o ano que vem. E pelo Plurianual (PPA) 2018-2021, a situação não vai melhorar muito nos próximos quatro anos: para 2019, estão previstos gastos de R$ 227 milhões; para 2020, R$ 237 milhões e, para 2021, R$ 249 milhões. Todos os valores ainda abaixo do orçamento deste ano, que foi de R$ 280 milhões.

A sindicalista teme pela manutenção das escolas, pelas obras inacabadas e pela merenda escolar, entre outros itens, uma vez que dos R$ 223 milhões destinados à Educação no ano que vem, R$ 156 milhões (70%) são para o pagamento de salários.

– Se esse ano já foi o que nós vimos, imagina sem os 205. Vamos continuar sem receber os triênios e mudanças de nível, entre outras coisas do plano de carreira que esse mesmo governo criou, mas não cumpre – finaliza.