Assine Já
quarta, 20 de outubro de 2021
Região dos Lagos
18ºmax
14ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52262 Óbitos: 2141
Confirmados Óbitos
Araruama 12321 438
Armação dos Búzios 6516 72
Arraial do Cabo 1720 92
Cabo Frio 14721 876
Iguaba Grande 5469 140
São Pedro da Aldeia 6984 288
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
A PARTIR DE AMANHÃ

Festival de documentários musicais começa nesta quarta em plataforma digital

Mostra de filmes inéditos no circuito comercial vai até 20 de setembro

08 setembro 2020 - 13h23Por Agência Brasil

A 12ª edição do In-Edit Brasil - Festival Internacional do Documentário Musical começará nesta quarta-feira (9). A programação reunirá mais de 60 filmes nacionais e internacionais inéditos no circuito comercial. O evento será pela primeira vez online e vai até o dia  20 de setembro, com acesso em todo território nacional.

No Panorama Mundial, entre os destaques estão The Quiet One, versão da história do baixista Bill Wyman, dos Rolling Stones, que abre seu arquivo pessoal com imagens inéditas; White Riot, sobre o movimento Rock Against Racism que teve apoio de bandas como The Clash, Sham 69, Steel Pulse; e My Darling Vivian, no qual as filhas do primeiro casamento de Johnny Cash decidem contar sua versão após o sucesso do filme Johnny e June.

Já no Panorama Brasileiro, o festival apresenta títulos com personagens como Dorival Caymmi, Pitty, Arto Lindsay, a escola de samba Mangueira, Mestre Cupijó, Quebradeiras de Coco Babaçu, Walter Smetak, Amaro Freitas, Elton Medeiros e o compositor e violonista Garoto.

A novidade deste ano é a Mostra Portugal. O diretor artístico do festival, Marcelo Aliche, informou que a produção no país europeu tem crescido e que chegaram muitos filmes portugueses para o festival.

Aliche destacou também os seis filmes da Competição Nacional, que passarão por um júri e o vencedor entrará no circuito internacional do In Edit.

A masterclass com o diretor inglês Julien Temple, entrevistas e debates com diretores e shows exclusivos completam a programação deste ano.

Os shows serão realizados no Espaço Som (SP), sem plateia, com transmissão ao vivo e gratuita em todo o Brasil.

Toda a programação estará disponível na plataforma do festival, com filmes gratuitos e filmes pagos (R$ 3 para 72 horas de acesso). Parte da programação estará disponível também na plataforma do Sesc Digital, com acesso gratuito, e, a partir de 21 de setembro, na Spcine Play  também gratuitamente.

O dinheiro arrecadado pelo festival será destinado integralmente a trabalhadores da música e do cinema afetados pela pandemia. Metade da receita vai para o Conexão Música, fundo criado por músicos e produtores independentes, e a outra metade vai para o Fundo de Amparo aos Profissionais do Audiovisual Negro, gerido pela Associação de Profissionais do Audiovisual Negro.

O diretor artístico contou que, mesmo após o fim do festival, a plataforma online vai continuar oferecendo um catálogo de filmes ao público durante o ano todo.

 

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.