Assine Já
quinta, 21 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
29ºmax
22ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 21341 Óbitos: 711
Confirmados Óbitos
Araruama 5363 160
Armação dos Búzios 2875 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 5750 231
Iguaba Grande 1988 50
São Pedro da Aldeia 3048 106
Saquarema 1666 101
Últimas notícias sobre a COVID-19
Feira Forte

Feira Forte quer dar um chute na crise

Feira retorna à data tradicional e quer dobrar vendas

14 fevereiro 2017 - 18h46
Feira Forte quer dar um chute na crise

De volta ao feriado de Corpus Christi, a Feira Forte deste ano tem como palavra-chave “otimizar”. O presidente da Acia, Eduardo Rosa, quer um evento “mais enxuto”, focada na experiência do consumidor e que movimente pelo menos o dobro do volume de vendas do ano passado, que foi de R$ 5 milhões. É com essa ousadia para vencer a crise que a Acia apresenta ao empresariado, amanhã, às 8h30, na Branca Confeitaria, a Feira Forte 2017, que acontecerá entre os dias 14 e 18 de junho.


Segundo Rosa, a mudança de datas foi um pedido dos empresários – ano passado, a feira aconteceu em outubro.
– A feira de 2016 não foi ruim, pelo contrário, ela foi classificada pelos empresários como entre boa e ótima, mas o empresariado entende que o feriado de Corpus Christi é uma data melhor, mais livre de concorrência. O que estamos fazendo é buscar todas as condições para melhorar ainda mais o evento – ele disse.


Para isso, a missão do presidente da Acia entre outubro do ano passado e esta semana foi ouvir. Alguns participantes reclamaram do preço do estacionamento. “Vamos reduzir esse valor pela metade”, foi a resposta do organizador. Outros queixaram-se do tumulto. “O espaço da feira vai ser menor, mas vamos ter diversas ações para melhorar não só a circulação dos nossos clientes, como também a acessibilidade para cadeirantes”, disse.
Essas ações giram em torno de adequar a feira ao consumidor e não ao empresário – o que, de acordo com ele, beneficia o empresário de qualquer forma. Eduardo Rosa conta que um aplicativo para celular e um hotsite estão sendo desenvolvidos para que o cliente possa saber de antemão os participantes da feira, onde encontrá-los e informações sobre descontos. Isso, segundo ele, vai evitar filas e melhorar a circulação dentro do evento.


Apesar de serem muitas mudanças – Eduardo Rosa acredita que os cinco meses de antecedência vão ajudar numa elaboração melhor do evento –, o mote da Feira Forte continua o mesmo: descontos, descontos e mais descontos. Os abatimentos devem chegar a 70% em determinados tipos de produtos e serviços. O setor que estará mais presente na feira, como nos outros anos, é o de moda. Segundo o presidente da Acia, é o setor que mais movimenta dinheiro no evento. Mas não para por aí: “Empresas que participaram só com divulgação no ano passado venderam bem e vão voltar com estande. Teve loja de móveis, por exemplo, que já me procurou”.


Quem se interessar por pré-reservar um espaço na maior feira de descontos da região pode ir até o café da manhã de lançamento, amanhã. Para tal, precisa entrar em contato com a Acia: [email protected] O organizador afirma que as condições de reserva estão imperdíveis: “Pela antecedência, as condições de parcelamento vão ser melhores”, ele afirma.

Sem nenhum medo da crise

Se a simples menção do termo crise assustava o ambiente de negócios da região no ano passado, este ano o cenário desanuviou. Segundo Eduardo Rosa, o pagamento das dívidas da Prefeitura com os servidores públicos e a vinda de um “público diferenciado” para o feriado de Corpus Christi vão turbinar as vendas:


– Acredito que este ano vai ser melhor, bem melhor. Os pagamentos já devem estar em dia em junho e também tem a questão do FGTS. Vai ter mais dinheiro para gastar – sorri.