Assine Já
sexta, 25 de setembro de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8032 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1614 102
Armação dos Búzios 477 10
Arraial do Cabo 241 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1309 51
Saquarema 1165 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
mercado

Faturamento dispara no Mercado do Peixe

Comerciantes comemoram aumento do movimento na Semana Santa

13 abril 2017 - 10h24Por Gabriel Tinoco
Faturamento dispara no Mercado do Peixe

Durante a Semana Santa, no Mercado do Peixe, em Cabo Frio, quem se multiplica é o cliente. O movimento, que já melhorou ontem, tem tudo para disparar no feriado: a previsão é entre 70% e 80% de acréscimo nas vendas. O tempo também tem colaborado, segundo os donos de bancas, para aumentar ainda mais a variedade do cardápio.

– Está movimentado. Vai melhorar de agora em diante. Amanhã (hoje) o movimento deverá aumentar uns 70%. Já na sexta o movimento estará bem melhor – diz Iloísio Prevatto, mais conhecido como Russo, 50, proprietário da Peixaria do Russo.

O vendedor da Peixaria do João, Josué Nascimento, 21, acredita que clientes de vários paladares chegarão ao mercado. 

– Se Deus quiser vai melhorar amanhã. Os peixes que têm maior saída aqui são cação e namorado. Mas essa saída deverá ser mais dividida a partir de amanhã. Vem gente de tudo que é lugar. A procura fica por peixes de sabores diferentes – explica. 

Ontem, o mercado estava cheio. Tanto que o proprietário da Peixaria do Junior, Junior Trindade, 50, deu a entrevista andando pelos corredores. 

– Melhorou muito. O mar também está colaborando. Não dá nem tempo de falar (risos). Estou cheio de encomendas para entregar – diz ele, apressado.
O vendedor da Peixaria do Emílio, Roberto dos Santos, 60, nutre grande expectativa apenas para a Sexta-Feira da Paixão. 

– Está começando a dar uns pingados. Vai melhorar mesmo é na sexta-feira. Piorar não existe, né? O fim de semana fica todo bom – revela. 
No último dia 17, a Folha esteve no local e constatou que o mar era um dos fatores a prejudicar as vendas. O vendedor da Peixaria do Neném, Genivaldo dos Santos, 55, vê a situação mudar para melhor.

– Não tem vento. O ruim é quando venta muito, porque o mar fica batendo. O peixe não aparece – afirma.