Assine Já
segunda, 13 de julho de 2020
Região dos Lagos
28ºmax
16ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Suspeitos: 344 Confirmados: 3388 Óbitos: 196
Suspeitos: 344 Confirmados: 3388 Óbitos: 196
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 274 658 42
Armação dos Búzios X 272 7
Arraial do Cabo 16 84 11
Cabo Frio X 1037 64
Iguaba Grande 12 241 20
São Pedro da Aldeia 10 530 19
Saquarema 32 566 33
Últimas notícias sobre a COVID-19
farofa

Farofa temperada com suingue cabofriense

Iury Lucarna é o mais novo membro da banda que revelou Seu Jorge
 

06 junho 2015 - 14h00
 Farofa temperada com suingue cabofriense

Rodrigo Branco

O Farofa Carioca, que sobe ao palco do Lapa Lagos,em São Pedro, neste sábado (6), a partir das 23h, terá ‘sabor’ de Cabo Frio. Iury Lucarna, que há seis meses divide com Sandro Márcio os vocais da banda, formada na capital nos anos 90, comanda um caldeirão sonoro que comporta ritmos como o funk e o soul music. Recém-chegado, ele ocupa um lugar que já foi de Gabriel Moura e, sobretudo, de Seu Jorge, hoje com sólida carreira solo, inclusive no exterior. O início da trajetória na música, segundo ele, foi precoce.

– Antes de entrar no Farofa, estive em duas bandas, uma de reggae-rock, a Dialeto e outra de soul, a Black.com. Comecei a cantar com 12 anos, sou de uma família de músicos. Então acho que está no sangue – comentou o cantor, que já era conhecido no circuito musical da região.

Baseado nas experiências anteriores de Iury e na sua formação musical, pautada pela preferência por B.B. King, George Benson, Tim Maia, Jorge Benjor, Banda Black Rio e Cassiano, entre outros, era fácil prever que o artista cabofriense enveredasse pelos caminhos da chamada música ‘black’. Mas foi o acaso que tratou de promover o encontro entre o suingue de Iury com o balanço do Farofa.

– Um amigo em comum, o Alex, que também é ‘roadie’ (funcionário que atua nos bastidores, ajudando na produção das bandas), me apresentou ao Farofa. Um dia, fui ao show deles e começamos a trocar uma ideia. Acabou rolando uma empatia. Já conhecia e curtia o trabalho deles – disse.

Confira a entrevista completa na edição impressa do Jornal Folha dos Lagos deste fim de semana