Assine Já
terça, 22 de setembro de 2020
Região dos Lagos
20ºmax
17ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7914 Óbitos: 414
Confirmados Óbitos
Araruama 1580 102
Armação dos Búzios 474 10
Arraial do Cabo 231 13
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1284 51
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
UPA

Famílias acusam UPAs de Cabo Frio e São Pedro da Aldeia de negligência

Menino de só dois anos morre nos braços do pai no município aldeense

10 dezembro 2015 - 09h28

O Instituto Médico Legal (IML) de Cabo Frio encami­nhará um pedido de análise na capital com o material colhido do corpo do menino Yan Moura Oliveira, 2, para saber a razão da sua morte. A criança foi le­vada duas vezes na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de São Pedro da Aldeia, ganhou alta e morreu nos braços do pai na madrugada da segunda-feira passada. A família suspeita de negligência médica.

Não há previsão para a libe­ração dos exames de sangue, histopatológico e toxicológico. A causa da morte não consta na certidão de óbito.

Há duas semanas, Yuri re­cebeu atendimento na UPA devido à febre alta e o corpo empolado. Os responsáveis suspeitavam de zika vírus, mas a hipótese foi logo descartada. A médica teria diagnosticado uma virose.

Só que a febre do menino au­mentou e chegou a quase 40º, além de dores no corpo. Na se­gunda ida, a médica pediu um exame para avaliar o menino. O paciente foi novamente liberado para casa. Mas o estado ficou pior e o menino morreu.

A coordenação soltou res­posta confirmando que a crian­ça esteve na unidade nas duas ocasiões. O comunicado ainda dizia que a criança chegou com parada cardiorrespiratória, onde foram feitas manobras de res­suscitação.

UPA Cabo Frio – Mas não foi apenas a unidade de São Pedro que teve problemas. Uma famí­lia de Cabo Frio acusou a Uni­dade de Pronto Atendimento (UPA) do Parque Burle de negar atendimento a uma criança de 2 anos no sábado passado.

A vítima teria se acidentado ao cair da cisterna de casa e ter machucado o braço e a cabeça. A tia do menino afirmou que havia dois médicos no plantão, mas nenhum pediatra.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta quinta-feira (10)