Assine Já
segunda, 19 de outubro de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
17ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 9111 Óbitos: 463
Confirmados Óbitos
Araruama 1843 108
Armação dos Búzios 570 10
Arraial do Cabo 273 15
Cabo Frio 2965 162
Iguaba Grande 802 38
São Pedro da Aldeia 1420 60
Saquarema 1238 70
Últimas notícias sobre a COVID-19
Cabo Frio

Excesso de lixo nas ruas de Cabo Frio é denunciado por leitores

Enquanto isso, hospitais da cidade sofrem com falta de vagas para pacientes

02 outubro 2015 - 11h41

A cada dia, os problemas se acumulam na cidade e quem paga a conta, literalmente, é a população, conforme eviden­ciam inúmeras denúncias e fotos de leitores recebidas diariamen­te pela Folha. A demissão de quatro mil servidores, em mar­ço, foi um dos primeiros cortes do governo. Outro exemplo a sensação de abandono nas ruas – com lixo espalhado pelos qua­tro cantos do município, como já demonstraram inúmeras reporta­gens do jornal ao longo deste ano.

    

Apesar da crise, a Comsercaf, que deveria ter sido extinta há pelo menos um mês, recebeu suplementação de R$ 9 milhões, assim como a empresa Córrego Rico, também de limpeza urba­na, teve liberação de aditivo de R$ 27 milhões na semana passa­da. A mais recente reportagem, publicada ontem, mostrou que cerca de 95% das praças, prin­cipalmente na periferia, mais parecem cenário de guerra com destruição por todo lado.

Já a desordem toma conta das ruas com carros estacionados nos dois lados da calçadas em vias de mão dupla, o que dificul­ta inclusive o tráfego de ônibus. Em São Cristóvão, a dificuldade dos ônibus é diária para passar nas ruas estreitas e chegar ao ponto final dos coletivos.

– A prefeitura está trabalhan­do, mas não sabemos onde – es­creveu o leitor Kleber Oliveira no Facebook do jornal.

Na saúde, um manancial de problemas, que persistem até hoje. Depois de sucessivas tro­cas de comando desde o início do governo em 2013 – seis ao todo, sendo uma delas formada por co­mitiva composta por quatro ges­tores – o prefeito assumiu como interventor da pasta em maio deste ano para investigar o que os leitores denunciam constan­temente: falta de medicamentos, de material para exames básicos, filas para marcação de consul­tas, falta de insumos como ges­so (um leitor enviou foto de um paciente que teve a perna imo­bilizada com papelão), falta de ambulância e de vagas para in­ternações, além de mau atendi­mento dos profissionais de saú­de, sobretudo na UPA do Parque Burle, segundo leitores.

– O São José Operário está sem UTI adequada. Estão im­provisando onde deveria ser uma enfermaria porque a UPG ainda não funciona – disparou Fabiane Ribeiro Corrêa, 23.

A demora na transferência de pacientes de hemodiálise bem como os sucessivos episódios com gestantes no Hospital Mu­nicipal da Mulher, denunciados frequentemente, completam o rol de queixas e que a Prefeitura deposita apenas na conta da que­da da arrecadação.