Assine Já
segunda, 21 de setembro de 2020
Região dos Lagos
22ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7847 Óbitos: 412
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 473 10
Arraial do Cabo 231 13
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1284 51
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Cultura

Estrutura precária na Cultura retarda início de cursos em Arraial do Cabo

Superintendente lamenta condições das instalações e antecessor rebate

01 fevereiro 2017 - 09h16Por Rodrigo Branco I Foto: Divulgação PMAC
Estrutura precária na Cultura retarda início de cursos em Arraial do Cabo

Por causa de uma infestação de cupins, instrumentos musicais ficaram danificados

Fosse um gênero teatral, a atual situação da Cultura de Arraial poderia ser considerada um drama. Com as instalações encontradas em estado precário e, agora, sem o alento do Teatro Municipal, cuja obra será adaptada para o novo centro administrativo da Prefeitura, o setor convive com a incerteza e até mesmo as aulas do projeto de formação de talentos não têm data para recomeçar.

O Centro Cultural Manoel Camargo, principal polo das atividades, sofreu uma infestação de pombos no telhado, no intervalo entre a antiga e a atual gestão, no fim do ano passado. Por falta de condições adequadas de higiene, o local está interditado pela Saúde pública e vai passar por uma dedetização. Instrumentos musicais, como violinos e um piano, também foram danificados após um ataque de cupins que já compromete o palco e as estruturas de madeira do auditório.

Opção para as aulas, o antigo cinema, que passou por uma tímida reforma há cerca de três anos, também está em estado de completo abandono. Com as infiltrações, os carpetes que revestem a sala de exibição estão mofados. Invadido por morcegos, o local que abrigava o antigo projetor está com forte odor da urina dos animais. Além disso, o equipamento cultural está sujo e repleto de pichações. No momento, apenas o anexo cultural de Monte Alto reúne condições para sediar os cursos, mas ainda assim o calendário de atividades não foi divulgado.

– A última e única reforma no Centro Cultural foi entre o fim dos anos 90 e o começo de 2000. De lá pra cá não teve mais reparo. Na tal ilusão da construção do teatro ninguém da antiga gestão quis reparar nada. E o prédio foi se deteriorando – comentou o superintendente Brian Uchôa.

Para conseguir a verba para as reformas necessárias, Brian aposta na transformação da superintendência em fundação para desvincular-se do orçamento da secretaria de Educação e assim poder correr atrás de projetos e editais do Governo Federal. O processo está em fase de organização documental e de elaboração de lei específica e o superintendente espera ter novidades em breve.

– Esse grito de liberdade vai ser o grande diferencial dessa nova gestão – acredita.

Procurado para comentar as reclamações da atual gestão, o ex-superintendente Fernando Rezende disse que os problemas já eram de conhecimento de Brian.

– A atual equipe de Cultura fez parte da minha equipe por oito anos. Eles sabem melhor do que ninguém de todos os problemas e de todas as soluções que conquistamos e o que tem para conquistar – alega Rezende.

De certo mesmo, está apenas a apresentação de alunos do curso de teatro infantil no carnaval da cidade, no fim do mês.