Assine Já
terça, 22 de junho de 2021
Região dos Lagos
22ºmax
16ºmin
Alerj2
Alerj3
TEMPO REAL Confirmados: 43349 Óbitos: 1676
Confirmados Óbitos
Araruama 10701 336
Armação dos Búzios 5211 57
Arraial do Cabo 1501 83
Cabo Frio 11551 622
Iguaba Grande 4461 107
São Pedro da Aldeia 5895 260
Saquarema 4029 211
Últimas notícias sobre a COVID-19
Estado

Estado deve pagar hoje servidores da Segurança Pública

Delegacias registram apenas crimes mais violentos

18 janeiro 2017 - 07h41Por Rodrigo Branco I foto: Arquivo Folha
Estado deve pagar hoje servidores da Segurança Pública

O Governo do Estado espera pagar ainda esta semana os salários de de­zembro dos policiais civis que, desde ontem, estão com as atividades parali­sadas por causa do atraso no pagamento do último mês do ano passado e também do 13º salário, de horas-extras e premiações por metas cumpridas.

Decidida em assembleia na noite de segunda-feira, a paralisação tem duração de 72 horas, ou seja, até amanhã. Por enquanto, as delegacias estão registran­do apenas os casos consi­derados mais graves como os de homicídios, seques­tros e estupros. Crimes em flagrante e remoção de ca­dáveres também estão sen­do registrados. Após esse prazo, caso não haja uma solução, será iniciada gre­ve por tempo indetermi­nado e o contingente nas delegacias ficará restrito a 30% do efetivo, conforme estipula a legislação.

Apesar dos transtornos, a movimentação na dele­gacia de Cabo Frio (126ª DP) foi considerada tran­quila durante o dia de on­tem. Segundo o titular da unidade, delegado Renato Mariano dos Santos, as dificuldades são inegáveis por causa da crise econô­mica vivida pelo Estado.

– A situação está difícil para todo mundo. Se fa­lasse algo diferente disso, estaria mentindo. A cri­se é pública e notória. As dificuldades vão desde a estrutura até o quadro de pessoal, que está reduzido. Mas estamos fazendo o melhor possível com o que temos à disposição – disse o delegado.

Em nota, a Polícia Civil disse que não se manifesta sobre o teor de decisão de entidade de classe e escla­rece que os serviços emer­genciais serão mantidos.

Além dos policiais ci­vis, os agentes peniten­ciários também fazem paralisação, só que até a próxima segunda-feira, dia 23. Assim como os po­liciais, os agentes cobram o pagamento de venci­mentos atrasados e melho­ria nas condições de traba­lho nos presídios.