Assine Já
quinta, 25 de fevereiro de 2021
Região dos Lagos
29ºmax
20ºmin
Tropical
Tropical mobile
TEMPO REAL Confirmados: 26207 Óbitos: 900
Confirmados Óbitos
Araruama 6686 181
Armação dos Búzios 3181 32
Arraial do Cabo 844 37
Cabo Frio 7163 342
Iguaba Grande 2472 54
São Pedro da Aldeia 3486 126
Saquarema 2375 128
Últimas notícias sobre a COVID-19
Greve

Estado de tensão permanente em Cabo Frio

Greve da Educação chega ao décimo dia sem incidentes, mas animosidade entre professores e guardas continua

18 dezembro 2015 - 09h20Por Rodrigo Branco

    

      Foto: Rodrigo Branco

A paralisação dos profissio­nais da Educação de Cabo Frio completou dez dias ontem sem solução para a falta de pagamento dos salários de novembro, apesar da decisão judicial que obriga a Prefeitura a depositar o salário dos servidores no prazo de 72 horas após a sua notificação. De concreto mesmo, apenas o clima de tensão no reencontro entre os educadores e a Guarda Municipal menos de um dia depois da confu­são durante a ocupação da sede da secretaria de Fazenda pela catego­ria, que terminou em pancadaria.

Se nos atos de ontem, em fren­te à Câmara Municipal e na Praça Tiradentes, não foram registrados novos incidentes, a animosidade estava claramente no ar. Acusados de agredir quatro mulheres, dentre as quais a diretora de imprensa do Sepe Lagos, Denise Teixeira, os agentes foram hostilizados pelos profissionais de ensino. Em de­terminado momento, um grupo de agentes que passava em fren­te à Prefeitura foi muito vaiado. Alguns manifestantes xingaram. Um dos guardas ironizou, acenan­do para o grupo, o que aumentou a ira dos professores. Profissionais da Saúde, que também estão para­dos, engrossavam o protesto.

Mais cedo, na sessão da Câ­mara, Denise Teixeira comentou o episódio e criticou duramente a ação da Guarda Municipal. Se­gundo ela, o incidente poderia ter tomado uma proporção muito maior do que foi, quando termi­nou na delegacia da cidade.

– A gente gostaria de abrir uma campanha contra o armamento da Guarda Municipal porque se ontem ela estivesse armada na secretaria de Fazenda a gente te­ria uma chacina. Mesmo porque a gente teve uma companheira que foi agredida com uma arma de choque, o que não é permitido – denunciou a sindicalista que fez ontem exame de corpo de delito.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta sexta-feira (18)