Assine Já
sábado, 26 de setembro de 2020
Região dos Lagos
29ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8076 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1625 102
Armação dos Búzios 483 10
Arraial do Cabo 242 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1323 51
Saquarema 1177 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
araruama

Especialistas condenam caso de linchamento em Araruama

Justiça com as próprias mãos e divulgação de informações falsas online são questionadas

07 abril 2017 - 00h57Por Gabriel Tinoco | Foto: Reprodução
Especialistas condenam caso de linchamento em Araruama

 “Atividade, atividade aí ago­ra, rapaziada. Tentaram roubar uma criança ainda agora, em um Escort branco, antigo. É um coroa já de idade e uma mulher mais nova. Tentaram roubar uma criança aqui (...)”.

Esse é o conteúdo do que a Polícia Civil acredita ser o áu­dio que deu origem ao boato que resultou na tentativa de lin­chamento de um casal em Ara­ruama, na tarde de quarta-feira. A polícia tenta agora identificar quem foi o homem que come­çou a espalhar o boato nas redes sociais. O delegado da 118ªDP (Araruama), Luiz Henrique Marques, informou que áudios, fotos e vídeos são usados para ajudar na investigação do caso.

Luiz Áureo de Paula e Pame­la Almeida Ramalho, colegas de trabalho, foram acusados de se­questro por moradores do bair­ro Mutirão e retirados à força de dentro do carro em que es­tavam. O boato se espalhou pe­las redes sociais e os dois foram agredidos pela multidão que os cercava. Tiveram o carro quei­mado e, por pouco, não foram linchados. Agora, Pamela não quer mais voltar para casa, com medo de sofrer violência. Trau­matizada, ela foi com o marido para um lugar isolado e busca abrigo em casa de parentes.

Especialistas pedem cautela com informações

Já foi comprovado que Luiz Aurélio e Pâmela Almeida não tinham a mínima relação com o crime. Os dois foram retirados do carro – posteriormente quei­mado – e agredidos por uma multidão furiosa, contida apenas pela ação policial. A mãe preci­sou aparecer e dizer que a mu­lher apenas elogiou a criança.

Para o cientista social Wan­derson Jardim, o Pequeno, as redes sociais são uma poderosa ferramenta de divulgação – in­clusive do ‘justiçamento’, que ele mesmo condena.

– As redes sociais amplificam as questões. Os factóides aca­bam tomando amplitude maior. A justiça com as próprias mãos é ruim. O braço armado do esta­do existe para resolução de con­flitos. Se cada um decidir fazer justiça, será um bangue-bangue. Embora o Estado não atue como deveria, ele é a instituição res­ponsável pela administração e resolução de conflitos – pondera o mestre em Antropologia.

De acordo com ele, a ascensão de deputados com o discurso de extrema-direita também incentiva a justiça com as próprias mãos.

– Há uma onda conservadora não só no Brasil, mas na própria Europa: na França, no Leste Eu­ropeu... E também nos Estados Unidos, com o Trump. No Bra­sil, esse expoente é o Bolsonaro. Essa perspectiva de justiçamen­to aumenta com representantes que defendam isso – explica.

Já o advogado Carlos Mag­no de Carvalho recorre à Idade Média para condenar os lincha­mentos e argumentar em favor ao direito de defesa.

– Voltamos à Idade Média onde era muito comum o julga­mento de pessoas, sem qualquer indício ou acusação formal, que invariavelmente terminava com a morte em praça pública. Muitos inocentes morreram assim.

O jornalista Ivan Lemos res­salta o dever da imprensa em desmentir inverdades.

– Essas atitudes irresponsá­veis têm feito a imprensa mudar pelo simples fato de que deve­mos prestar um serviço à po­pulação. Se nós, jornalistas, não agirmos em serviço da sociedade de forma rápida, essas falsas notícias se espa­lham e tomam uma proporção absurda, como aconteceu em Araruama e em vários outros lugares – afirma.