Assine Já
sexta, 03 de dezembro de 2021
Região dos Lagos
25ºmax
19ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 53693 Óbitos: 2188
Confirmados Óbitos
Araruama 12500 448
Armação dos Búzios 6584 73
Arraial do Cabo 1754 93
Cabo Frio 15591 902
Iguaba Grande 5572 147
São Pedro da Aldeia 7051 290
Saquarema 4641 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
Geral

Especial: Os Guris e a Vida no Crime

Pesquisa identifica perfil de jovens infratores em Cabo Frio: tráfico é infração mais cometida

13 julho 2019 - 09h24
Especial: Os Guris e a Vida no Crime

RODRIGO CABRAL

‘Chega estampado, manchete, retrato. Com venda nos olhos, legenda e as iniciais”. O eu lírico da canção ‘O Meu Guri’, lançada por Chico Buarque em 1981, descreve com ingenuidade a imersão do filho no crime: “O guri no mato, acho que tá rindo. Acho que tá lindo de papo pro ar. Desde o começo, eu não disse, seu moço. Ele disse que chegava lá”.

Em Cabo Frio, quase todos os dias, lá estão eles: nas manchetes, nas notícias policiais, nas estatísticas de uma cidade que tem na violência um sintoma de seu crescimento – aqui, esses guris estão majoritariamente no tráfico de drogas e são moradores de bairros periféricos. É o que mostra levantamento de dados sobre o perfil de 122 jovens acompanhados em regime de liberdade assistida, desde 2015, pelo Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS) do município: o tráfico é o principal tipo de infração cometida (76%), seguido por infrações análogas a crimes de homicídio e estupro (13%) e furto e receptação (11%).

A pesquisa foi realizada pelos psicanalistas Nathan Barbosa da Silva, pós-graduado em teoria psicanalítica e coordenador do CREAS, e José Maurício Loures, mestre em Psicanálise, como trabalho final da especialização em Teoria Psicanalística e Prática Clínico-Institucional na Universidade Veiga de Almeida (UVA).

Como o tráfico aparece na vida desses jovens? Nathan Barbosa, que é coordenador do CREAS, observa que há a convergência de alguns fenômenos: de um lado, a ausência do estado nos bairros periféricos e a ineficiência de políticas públicas para as classes sociais menos abastardas; de outro, a busca natural dos adolescentes por identificação e a vontade e sentir-se participante de grupos.

– Na conclusão do trabalho, nós esbarramos nessa questão, que é o fato de o adolescente precisar ter algum discurso para participar de algum grupo. O tráfico de drogas é um discurso que permeia a rotina desse jovem. E, a partir do momento em que ele tem contato com outro que já está na rua traficando ou com um maior de idade que também está no crime, ocorre o risco dessas identificações pouco saudáveis. Ou seja, se o estado não tem como possibilitar uma identificação saudável, vai restar a que existe ali à pronta entrega: o tráfico de drogas.

Na esteira da falta de oportunidades, a necessidade de ganhar dinheiro, principalmente quando se está à beira da maioridade, também é a pólvora que faz explodir os números do tráfico entre os jovens.

– Um adolescente que tem 17 anos, quase completando a maioridade, se vê cada vez mais imbuído do discurso capitalista. Ele vê pessoas conseguindo comprar coisas das quais também se sente convocado e necessitado de comprar. E ainda não está na idade de trabalhar formalmente. O projeto Jovem Aprendiz, que é a concessão que o estado faz para permitir que o adolescente trabalhe, tem recorte social. Normalmente são jovens de classe média, brancos, de escolas particulares, que não moram em periferia, aqueles conseguem as oportunidades.

Ele prossegue:

– Era comum, nesses atendimentos, ouvirmos jovens que nunca tinham pisado num shopping e, consequentemente, jamais ido ao cinema. Numa cidade como Cabo Frio, o cinema é o principal lugar para se consumir cultura, à exceção de outros peque- nos ciclos sociais. Esses adolescentes gostam da cultura mainstream, que é o cinema maior, mas não conseguem ir. Não por falta de dinheiro. Não vão justamente porque não é um local comum que frequentam. Nunca foram introduzidos ao cinema de um shopping, no centrão. Além de a necessidade de dinheiro ser forte a as políticas que orbitem o trabalho sejam precárias e segregacionistas, o próprio urbano contribui com que esses adolescentes fiquem às margens da sociedade. É complexo – analisa Nathan.

A pesquisa também faz o recorte etário dos jovens acompanhados pelo CREAS atualmente: 17 e 18 anos de idade (38,9%), 18 ou 19 (22,8%), 16 ou 17 (19,4%), 15 e 16 anos (9%), 14 e 15 (4,2%) e 19 e 20 anos (4,2%). Todos os que foram analisados pelo estudo cometeram crimes antes dos 18 anos. Por isso, podem ficar no sistema socioeducativo até os 21 anos. O levantamento identificou que nenhum destes adolescentes estava em idade compatível ao ano escolar. Apenas um tinha matrícula no Ensino Médio. E 20% encontravam-se no 6º ano do Ensino Fundamental, equivalente ao período educacional de crianças entre 11 e 12 anos.

Os pesquisadores também fizeram análise territorial dos locais da cidade que apresentam maiores incidência de jovens em conflito com a lei: o Jardim Esperança aparece na frente (16%), seguido por Unamar (14%), Jacaré (6,5%) e Jardim Caiçara, Manoel Corrêa, Monte Alegre e Praia do Siqueira (todos com 5,7%).

“Chegam lá sem pensar no amanhã”

Qual é seu ponto forte? Essa é uma das primeiras perguntas feitas a quem chega para cumprir a medida socioeducativa no CREAS, que funciona na Rua Alemanha, no Jardim Caiçara.

– Quando perguntamos isso, percebemos que um ponto comum é o fato de eles dificilmente conseguirem demarcar quais seus desejos a médio e longo prazo. Dificilmente conseguem vislumbrar uma faculdade ou mesmo o término da escolaridade para conseguir qualquer tipo de emprego. São os nossos profissionais capacitados os primeiros atores sociais a fazer com que este adolescente pense sobre isso. Fazem a reflexão: “Bom, vamos pensar: você precisa estudar para obter um bom emprego, um bom emprego vai servir para ganhar dinheiro e pode também proporcionar que faça você gostar de trabalhar”. Até então os adolescentes chegam lá sem pensar no amanhã. Essa é uma grande característica deles.

Há, no entanto, entre aqueles que foram presos, o medo de enfrentar novamente as agruras do sistema prisional:

– Eles demonstram não querer voltar para esses locais. Isso aparece em forma de medo. Demonstram que a situação que passaram lá é insalubre, de muita violência, onde não há quem possa defendê-los, seja de outros adolescentes, seja do estado. Há o medo de voltar. O sistema, hoje, trabalha em cima do temor.

Em outros momentos, no entanto, nem o temor, nem a completa desesperança: o discurso possível é o também de ser aquilo ainda não se conhece até então:

– Um jovem, depois de longo período de acom- panhamento, chegou para mim e disse que admirava a forma como eu falava, como me vestia, aquilo que eu representava ali dentro. Até então, ele não sabia o que faz um psicólogo. Descobriu ali parte do que o psicólogo faz. Chegou para mim, com a voz embargada, e disse que gostaria de ser como eu. Quando se dá a oportuni- dade ao adolescente de se identificar com alguém, de forma saudável, ele vai lá e se apega – conclui Nathan Barbosa.