Assine Já
quinta, 24 de junho de 2021
Região dos Lagos
23ºmax
16ºmin
Alerj2
Alerj3
TEMPO REAL Confirmados: 43614 Óbitos: 1679
Confirmados Óbitos
Araruama 10812 339
Armação dos Búzios 5233 57
Arraial do Cabo 1501 83
Cabo Frio 11637 622
Iguaba Grande 4486 107
São Pedro da Aldeia 5916 260
Saquarema 4029 211
Últimas notícias sobre a COVID-19
escolas

Escolas estaduais terão eleições diretas

Projeto de lei que permite a escolha dos diretores, no entanto, precisa ser sancionada pelo governo

15 maio 2016 - 12h26

O plenário da Assembleia Legislativa aprovou na noite de anteontem o projeto de lei nº 584/2015, do deputado estadual Carlos Minc (sem partido) que estabelece a escolha direta dos diretores das escolas públicas estaduais e da Faetec (Fundação de Apoio à Escola Técnica). Diferente do que era antes, alunos, professores e outros representantes da comunidade escolar agora poderão votar no candidato da preferência. Antes, a escolha se dava por meio de indicações políticas.
A medida era uma das principais reivindicações dos estudantes que ocupam mais de 70 unidades em todo o estado. Para entrar em vigor, o projeto precisa ser sancionado pelo governador interino Francisco Dornelles (PP).

Compromisso é pela sanção, afirma Jânio

Para que o projeto de lei de Minc tenha efeito, ainda precisa ser sancionado pelo governador em exercício, Francisco Dornelles (PP), mas de acordo com o vice-líder do governo na Alerj, o deputado cabofriense Janio Mendes, isso não será problema.

– Isso fez parte da negociação com os estudantes e o governo tem o compromisso de sancionar essa lei – garante Janio.

No processo de consulta aprovado, metade dos votos será dos professores e demais funcionários, e a outra metade, dos alunos. A expectativa é que a lei traga mais transparência nas contas das escolas, pois o candidato precisa não ter participação comprovada em irregularidades administrativas e terá que prestar contas bimestrais sobre movimentação financeira e os resultados pedagógicos de sua administração.

 – A gestão democrática do ensino público é um princípio constitucional. O processo democrático de escolha da direção escolar incentivará uma administração focada na transparência, na economia de recursos públicos e no compromisso com a boa gestão – afirma o autor do projeto.