Assine Já
sábado, 11 de julho de 2020
Região dos Lagos
25ºmax
16ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Suspeitos: 344 Confirmados: 3386 Óbitos: 195
Suspeitos: 344 Confirmados: 3386 Óbitos: 195
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 274 658 42
Armação dos Búzios X 272 7
Arraial do Cabo 16 84 11
Cabo Frio X 1035 63
Iguaba Grande 12 241 20
São Pedro da Aldeia 10 530 19
Saquarema 32 566 33
Últimas notícias sobre a COVID-19
Escola

Escola Municipal Robinson Azevedo retorna às aulas

Equipe de engenheiros mede escola para colocação de telas

02 setembro 2015 - 10h08

NICIA CARVALHO

 

Depois de quatro dias sem aulas devido à infestação de pombos e mau cheiro provocado por uso de repelente para espantar os animais, a Escola Municipal Robinson Azevedo de Carvalho, localizada no Parque Burle, em Cabo Frio, retomou o funcionamento normal na manhã desta quarta-feira (02). Desde ontem, equipes de engenharia realizam a medição do prédio da unidade para a colocação de telas de proteção de forma a evitar que os pombos retornem à escola.

     

     Alunos ficaram sem aulas nesta terça-feira (1). Aulas voltaram ao normal e alunos já podem retomar a rotina de estudos nesta quarta (2).

De acordo com Simone Maria Pereira, diretora da escola, a colocação da tela já foi autorizada pelo prefeito Alair Corrêa (PP), segundo informou-a a secretária de Educação Juciara Dimas, e a previsão é de que o material seja colocado o quanto antes.

– A estrutura do prédio é complicada, com muitos vão e janelas diferenciadas, modelos diversos, então é um trabalho que tem que ser feito com muita cautela, mas todos têm pressa – explicou.

Saiba Mais  Desde a última quinta-feira, cerca de 600 estudantes, divididos em 21 turmas do primeiro ao quinto ano, estavam impedidos de ter aulas devido a uma dedetização realizada na escola para eliminar os pombos. Contudo, nos dias que se seguiram, especialmente na segunda e na terça-feira, ao chegarem à unidade, havia mais pombos na escola, que também estava com fezes dos animais por todos os lados, além do veneno usado que gotejava do teto. O forte mau cheiro do inseticida provocou inclusive, reações adversas em estudantes e funcionários, como ardência na garganta e nos olhos, coceira na pelo e mal estar.