Assine Já
sábado, 26 de setembro de 2020
Região dos Lagos
29ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8076 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1625 102
Armação dos Búzios 483 10
Arraial do Cabo 242 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1323 51
Saquarema 1177 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
escola

Escola Luis Lindenberg fica sem aulas

Falta de material, merenda e demissões suspendem atividades

09 setembro 2016 - 19h38
Escola Luis Lindenberg fica sem aulas

Pouco depois da Secretaria de Educação determinar a suspensão das matrículas de primeiro ano dos colégios municipais, foi a vez da Escola Luis Lindenberg, no Guarani, em Cabo Frio, encerrar as atividades e as aulas estão sem previsão para retornar. O fechamento irritou os moradores do bairro, principalmente os pais de alunos – apenas a secretaria da unidade se manteve aberta.


A escola tem por volta de 850 alunos que se dividem entre as turmas de primeiro a nono ano. Ultimamente, o colégio funcionava em horário reduzido – das 7h até 9h30 e 12h45 às 15h30 – justamente pela falta de material e condições de trabalho. A demissão de 17 funcionários prejudicou  o funcionamento da unidade – além disso, a falta de pagamento prejudica os servidores no momento de ir trabalhar.


O diretor geral do colégio não foi autorizado pela secretária de Educação, Luana Ferreira, a falar sobre o assunto. Ambos marcaram reunião para a próxima segunda-feira para tentar resolver os problemas da escola.


O diretor adjunto Douglas Alegre não sabe como a escola conseguiu manter as portas abertas por tanto tempo.
– Fechou porque não tinha as condições mínimas para a escola continuar aberta. Essas condições foram acabando. Problemas de falta de merenda, de verba, de material para a papelaria. A escola estava sendo invadida e depredada. Roubaram as divisórias das portas dos banheiros do colégio. Isso sem contar a dispensa de muitos funcionários. Os concursados que trabalham com limpeza e inspeção não têm vale-transporte. Portanto, não tem dinheiro para trabalhar por conta dos atrasos. A comunidade ficou bastante irritada por toda a problemática do município. E, pior, as providências não são tomadas. Tentamos funcionar até em horário reduzido, mas assim fica difícil – desabafa.


A Folha  tentou entrar em contato com o Governo Municipal, mas não obteve respostas até o fechamento desta edição.


Os servidores da Educação têm protestado incessantemente pelas ruas de Cabo Frio  das mais diversas maneiras – eles já enterraram cruzes na Praia do Forte para simbolizar o velório da pasta na cidade e até carregaram caixas de bananas para simbolizar a falta de merenda escolar.


As demissões anunciadas pelo Prefeito Alair Corrêa (PP), por exemplo, também foram alvos dos protestos: os professores da Escola Municipal Zélio Jotha, na Avenida Joaquim Nogueira, em São Cristóvão, recentemente, ficaram de luto na porta do colégio .