Assine Já
segunda, 26 de outubro de 2020
Região dos Lagos
25ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 9419 Óbitos: 486
Confirmados Óbitos
Araruama 1914 111
Armação dos Búzios 582 10
Arraial do Cabo 298 15
Cabo Frio 3084 168
Iguaba Grande 826 38
São Pedro da Aldeia 1456 71
Saquarema 1259 73
Últimas notícias sobre a COVID-19
Escola

Escola fica sem água, gás e merenda e crianças são dispensadas logo pela manhã

Falta de verba para suprir unidades teria sido ‘avisada’ em reunião

21 setembro 2015 - 10h03

NICIA CARVALHO

Não bastasse o atraso na en­trega dos tablets para alunos da rede municipal de ensino de Cabo Frio, conforme a Folha noticiou na última sexta-feira, outro problema afeta os estu­dantes: a falta de água, de gás e de merenda. Por conta dis­so, ontem, crianças da Creche Elenita Ferreira dos Santos, no bairro Manoel Corrêa, foram dispensadas às 11h, ao invés das 17h. Por outro lado, verba federal de R$ 1,5 milhões, ex­clusiva para uso na alimentação escolar, estaria disponível na conta da Prefeitura desde o ano passado, mas impedida de ser usada por falta de licitação.

– Isso é um absurdo, causa transtornos e prejuízos aos pais. Minha esposa não foi trabalhar hoje (ontem) e amanhã (hoje) ou eu fico e ela vai trabalhar ou va­mos ter que levá-lo para o trabalho.

Podemos perder o emprego desse jeito. É um constrangi­mento para os alunos e os pais. Por que a secretaria (de Educa­ção) não providenciou nada no fim de semana? – criticou Carlos Nixon, que tem um filho de quatro anos.

Em nota, a Prefeitura de Cabo Frio afirmou que a escola é regularmente abastecida com caminhão-pipa, conforme a ne­cessidade, e também que a ver­ba destinada à compra de gás e outros utensílios foi depositada no dia 18. A Secretaria de Edu­cação afirmou ainda que não en­coraja ‘rateio de gastos’.

Segundo Carlos Nixon, a es­cola funciona em horário inte­gral e os pais foram informados pela diretora que as crianças se­riam dispensadas a semana in­teira às 11 horas. Na sexta (18), só foi possível ter aula devido a um rateio entre os funcionários para a compra de gás de cozi­nha. A falta de verba para suprir as escolas em itens básicos teria sido avisada pela secretaria de Educação em reunião com dire­tores das unidades.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta terça-feira (22)