Assine Já
terça, 18 de maio de 2021
Região dos Lagos
25ºmax
17ºmin
Alerj
Alerj
TEMPO REAL Confirmados: 38507 Óbitos: 1467
Confirmados Óbitos
Araruama 9671 303
Armação dos Búzios 4715 57
Arraial do Cabo 1343 70
Cabo Frio 10353 542
Iguaba Grande 3845 93
São Pedro da Aldeia 5306 227
Saquarema 3274 175
Últimas notícias sobre a COVID-19
Repasse

Escalada do dólar aumenta arrecadações nos royalties

Moeda cresce preço do barril e repasse é maior para municípios

30 setembro 2015 - 09h14

Quase tudo na vida tem um lado positivo. E com a dispara­da do dólar não é nada diferen­te. A franca ascensão da moeda estadunidense, que fechou na maior cotação da história do Plano Real na semana passa­da, inflaciona o preço do barril do petróleo, vendido em dólar. Resultado: maior arrecadação aos municípios produtores e não produtores da Região dos Lagos no repasse dos royalties.

A Folha ouviu o administra­dor Leandro Cunha para saber qual é a melhor maneira dos mu­nicípios da região explorarem a escalada da moeda.

Leandro é lacônico ao afirmar que não há confiabilidade no au­mento do dólar. De acordo com ele, os governos municipais não podem depender de um mercado tão flutuante.

– Não se pode pensar no au­mento do dólar com confiabili­dade. A taxa é flutuante. Pode tanto subir como descer em dado momento. Os municípios devem aumentar a produção do barril de petróleo primeiramente, com­binando com o aumento do pre­ço do Barril. A cotação do dólar é instável, ela pode a qualquer momento intervir no mercado e o preço do dólar dimunir conse­quentemente. A taxa do câmbio está sobrevalorizada e a tendência é o governo intervir para que ela diminua a médio prazo – comen­tou o administrador, que também possui mestrado em Economia.

O consultor empresarial Ri­cardo Azevedo vê o aumento no repasse como um alívio para as cidades em tempos de crise, mas também lembra como a dispara­da afeta negativamente a Econo­mia do país como um todo.

– Os royalties são uma conta que é o preço do barril vezes a produção vezes o dólar. A dis­parada da moeda também não é legal para a Economia do Brasil. Por outro lado, com o real desva­lorizado, os turistas estrangeiros começam a procurar a região. Por exemplo, os turistas argentinos começam a querer visitar Búzios. Essas são as vantagens da subida do dólar – avaliou o consultor.

A cotação do dólar até o fecha­mento desta edição, às 17h, esta­va a R$ 4.

Em valores nominais, as ven­das do setor apresentaram que­da de 0,07% em relação ao mês anterior e, quando comparadas a agosto do ano anterior, alta de 5,1%. No acumulado do ano, as vendas cresceram 7,68%.

“Nós estamos trabalhando com nossos fornecedores para ativar o consumo, especialmen­te em vista da proximidade das festas de final de ano, que po­dem trazer melhores resultados, e também para adaptar nossas vendas e toda a logística de dis­tribuição aos novos hábitos do consumidor, que está priorizan­do as compras de abastecimento da casa”, disse o presidente da Abras, Fernando Yamada.

Segundo a Abras, em agosto, a cesta de produtos Abrasmerca­do (35 produtos de largo consu­mo), registrou baixa de 0,63%, passando de R$ 414,40, em ju­lho, para R$ 411,77, em agosto.