Assine Já
terça, 29 de setembro de 2020
Região dos Lagos
25ºmax
20ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8382 Óbitos: 435
Confirmados Óbitos
Araruama 1653 103
Armação dos Búzios 495 10
Arraial do Cabo 252 15
Cabo Frio 2765 149
Iguaba Grande 684 36
São Pedro da Aldeia 1353 54
Saquarema 1180 68
Últimas notícias sobre a COVID-19
enterro

Enterro de jovem que morreu atropelada é marcado por tristeza

Parentes da vítima dizem que vão cobrar das autoridades pena mais duras para atropelador

16 janeiro 2015 - 13h43Por Texto e Fotos: Rosana Rodrigues
 Enterro de jovem que morreu atropelada é marcado por tristeza

Debaixo de emocionante salva de palmas e com a presença de centenas de amigos e família, foi enterrado no fim da manhã desta sexta-feira (16) no Cemitério Santa Izabel, no Centro de Cabo Frio, o corpo da jovem Raquel dos Santos de Oliveira, de 28 anos. Ela foi atropelada e morta na quinta-feira (15) na subida da ponte Feliciano Sodré, no mesmo bairro. Em meio a muita lágrima e sentimento de dor, parentes da recepcionista estavam inconformados com a tragédia. Tio de Raquel, Eliseu Viana, estava revoltado com a decisão da delegada Andressa Mantel, responsável pelas investigações, que indiciou o garçon José Wilquis Madrona no crime de homicídio culposo (sem a intenção de matar). O atropelador só não foi liberado porque não teve como pagar a fiança de R$ 15 mil e de acordo com a delegada, ele seria transferido nesta sexta para uma casa de custódia, no Rio.

- Isso não ficará assim. Vamos cobrar diariamente das autoridades policiais. Não é possível deixar uma pessoa desta solta, pois em qualquer oportunidade fará mais vítimas e ficará impune. Ele estava bêbado e confessou ter consumido uma grande quantidade de álcool numa casa noturna no Canal Boulevard. O próprio exame comprovou o estado dele. Não concordamos com esta decisão.  Hoje é a minha sobrinha, amanhã poderá ser com qualquer um de nós – argumentou Eliseu.

 Inconsolável, a mãe de Raquel Elisete Viana dos Santos teve que ser amparada pelos familiares, pois não se conformava com a morte da filha. A mesma reação teve a irmã da vítima, Sara dos Santos, que teve que ser consolada a todo tempo ao lado do pai. Ela teve uma crise nervosa enquanto o caixão, coberto pela bandeira do Flamengo, era levado para a gaveta do cemitério.

- Eu quero a minha irmã de volta. Traga ela de volta para mim. Ele não quer ir embora – gritava Sara.

Raquel, que morava no Cajueiro, no Peró, estava indo trabalhar em um hotel no Centro da cidade. Ela esperava, ao lado da bicicleta, para atravessar a pista, quando foi atingida pelo carro de José Wilquis, um Peugeot preto, placa LCP 4853 (Iguaba Grande). 
Na porta da 126ª DP, familiares da vítima estavam revoltados e queriam linchar o motorista, que estava prestando depoimento naquele momento. No local do atropelamento, parentes de Raquel também bloquearam as pistas e o trânsito ficou completamente parado. A Polícia Militar e os Bombeiros estiveram no local. 
De acordo com a delegada Andressa de Oliveira Mantel, responsável pelo inquérito policial, ficou constatado que o atropelador estava dirigindo embriagado. José Wilquis estava acompanhado de outras quatro pessoas. Depois de ouvir o acusado e seus amigos, a delegada chegou à conclusão de que José Wilquis não teve a intenção de matar a recepcionista e que por isso iria autuá-lo por homicídio culposo.
– O crime que ele cometeu é grave. Mas não posso dar um parecer baseado no clamor público. Tenho que me basear na lei – explicou a delegada Andressa de Oliveira. 
José Wilquis será transferido para um presídio no Rio de Janeiro nesta sexta-feira (16). O garçom mora em Búzios e, segundo a delegada, não tem antecedentes criminais.  Raquel deixa uma filha de 9 anos.