Assine Já
quarta, 21 de outubro de 2020
Região dos Lagos
26ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 9339 Óbitos: 478
Confirmados Óbitos
Araruama 1907 110
Armação dos Búzios 574 10
Arraial do Cabo 283 15
Cabo Frio 3072 166
Iguaba Grande 819 38
São Pedro da Aldeia 1434 66
Saquarema 1250 73
Últimas notícias sobre a COVID-19
empréstimo

Empréstimo para cobrir royalties não tem aval popular

Em pesquisa no site da Folha, 95% dizem que acordo vai endividar cidade a longo prazo

30 agosto 2015 - 16h40

No que depender do aval do principal fiador do negócio, a população de Cabo Frio, o empréstimo para compensar a queda na arrecadação dos royalties não vai sair. Pelo menos no site da Folha, onde uma pesquisa indica que a esmagadora maioria dos leitores – na faixa de 95% – acha o acordo ‘péssimo, pois vai condenar a cidade a longo prazo’. Apenas 4% consideram o empréstimo ‘excelente’, pois acreditam que servirá para tirar a cidade da crise. Já o restante (1%) é ‘indiferente ao possível acordo, uma vez que ‘nada mudará’. 

No Facebook da Folha, a medida, possível por conta da Resolução 43/2011 do Senado Federal, de autoria do senador Marcelo Crivella (PRB-RJ) sofreu forte rejeição. Os internautas se dividiram entre o temor quanto a um possível superendividamento da cidade por causa dos juros da operação e as críticas à administração municipal.

Para Andréa Araújo, por exemplo, o empréstimo será ‘uma bomba’ para a próxima administração.
– Pelo amor de Deus... Nem pensar nisso nessa crise do nosso país atualmente... – postou. 

Já Martins Corrêa, disse que a medida significa negociar a própria cidade.
– É uma maneira inteligente de vender o município, agora, pra que e por que, cada um tire as conclusões que quiser – questiona.

Alex Damaceno, por sua vez, foi sucinto.
– Loucura!


Entenda a proposta – A resolução que permite a antecipação dos royalties, 43/2011, regulamenta a contratação de empréstimos junto ao mercado financeiro para compensar as perdas de receita com o recurso nos últimos meses. O valor a ser contratado será definido pela Agência Nacional do Petróleo (ANP), baseado nos repasses de 2013 e 2014 e nas projeções para 2015 e 2016. Os juros da operação são de 10% ao ano (0,8% ao mês), com prazo máximo de pagamento de 20 anos. Este fator aliado à incerteza no mercado internacional de petróleo que derrubou o preço da commoditie e, consequentemente, dos royalties é o motivo da preocupação com a negociação, que deverá ser estruturada por um banco público brasileiro. Além disso, será obrigatória a aplicação de 60% dos recursos em Saúde e Educação, enquanto o restante é de livre aplicação do governo.