Assine Já
segunda, 06 de julho de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
17ºmin
Mercado Tropical
TEMPO REAL Suspeitos: 311 Confirmados: 3077 Óbitos: 182
Suspeitos: 311 Confirmados: 3077 Óbitos: 182
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 272 585 40
Armação dos Búzios X 265 7
Arraial do Cabo 9 83 11
Cabo Frio X 954 58
Iguaba Grande 13 218 20
São Pedro da Aldeia 1 479 16
Saquarema 16 493 30
Últimas notícias sobre a COVID-19
PEDIDO PARA RETOMADA

Empresários entregam plano para reabertura de hotéis em Cabo Frio

Estudo técnico de viabilidade foi protocolado na Prefeitura, na Câmara e no Ministério Público

28 maio 2020 - 16h29Por Rodrigo Branco

Empresários do setor hoteleiro de Cabo Frio apresentaram nesta quinta-feira (28) um plano para reabertura dos meios de hospedagem no município. Um estudo técnico de viabilidade foi protocolado junto à Prefeitura, à Câmara Municipal e, por e-mail, ao Ministério Público Estadual (MP-RJ). Os empresários pretendem debater o plano durante uma reunião com integrantes do governo municipal, de representantes do comércio e membros do Ministério Público, que estava marcada para esta quinta, mas foi adiada para a próxima terça (2), em local e horário a serem definidos.

No documento, o grupo ‘SOS Hotéis de Cabo Frio’, formado por mais de 100 empresários, proprietários e administradores de meios de hospedagem aponta as dificuldades financeiras do setor, que tem as atividades paralisadas desde 20 de março, por força de um decreto municipal para prevenção ao contágio pelo novo coronavírus. Os hoteleiros alegam que a dificuldade de acesso às linhas de crédito oficiais e a impossibilidade de contrair empréstimos junto aos bancos privados os levam a pedir autorização de funcionamento com 50% da carga dos meios de hospedagem, bem como a reabertura das praias e dos pontos turísticos. Pelo plano, as barreiras sanitárias nos acessos ao município barrariam apenas as pessoas que apresentem quadro de febre acima de 38 graus.

O plano também estabelece novos protocolos sanitários e de segurança para hóspedes, funcionários, recepcionistas e camareiras. Os hoteleiros propõem diversas ações, como a disponibilidade de álcool gel em todas as áreas comuns, como recepção e salões; a proibição de uso de saunas, academias restaurantes e locais fechados;  a marcação no piso da recepção com a distância de um metro entre as pessoas; serviço de refeição apenas nos quartos; distribuição de equipamentos de proteção para os funcionários; entre outras medidas. 

O presidente da Associação de Hotéis e Restaurantes, Carlos Cunha, afirmou que o plano de retomada foi elaborado pelos próprios hoteleiros, baseado nos números de casos e mortes divulgados pelas secretarias municipal e estadual de Saúde e nos critérios adotados pelo Governo do Estado para a flexibilização nas atividades econômicas. O estudo de viabilidade aponta que, no caso de Cabo Frio, a evolução da doença permite a normalização das atividades, denominada como ‘bandeira verde’, dentro de protocolos de segurança sanitária. 

Carlos Cunha afirmou que não foi ouvido um profissional da área de Saúde para elaboração do plano, porque o documento foi baseado em estatísticas oficiais das autoridades sobre os números de casos e de mortes. 

– Se você reparar, nesse estudo de viabilidade, colocamos todos os boletins oficiais da Prefeitura e fizemos um gráfico baseado nos números informados pela Prefeitura. E para os protocolos, a gente tomou como base todos aqueles que estão sendo utilizados no Brasil inteiro. Inclusive, os protocolos do estado, do Sebrae e da Prefeitura de Cabo Frio são mais flexíveis que o nosso. O nosso é ate mais rígido. Então, tomamos todos esse cuidados, com olhar daquele que entende do funcionamento do hotel. Mão adianta fazer um protocolo extremamente técnico na área sanitária, que não vai funcionar e que foge da realidade do funcionamento no dia da dia de um hotel. Nosso protocolo é perfeitamente viável – defende o empresário.

A pressão dos hoteleiros se junta à dos comerciantes, que se reuniram com o prefeito Adriano Moreno (DEM) na última segunda-feira (25) e chegaram a marcar um protesto para o dia seguinte, cancelado após uma recomendação do Ministério Público contra aglomerações. Desde então, representantes do segmento tentam a marcação de uma reunião com o MP, enquanto a Associação Comercial e Industrial (Acia) elabora um plano de reabertura próprio para o setor.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa. Ligue já ou envie mensagem pelo WhatsApp: (22) 99933-2196.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.