Assine Já
quarta, 20 de outubro de 2021
Região dos Lagos
18ºmax
14ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52262 Óbitos: 2141
Confirmados Óbitos
Araruama 12321 438
Armação dos Búzios 6516 72
Arraial do Cabo 1720 92
Cabo Frio 14721 876
Iguaba Grande 5469 140
São Pedro da Aldeia 6984 288
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
MUDANÇA DE FOCO

Empresários articulam fabricação de máscaras por polo de moda praia em Cabo Frio

Grupo pede apoio do poder público para material, inspeção sanitária e distribuição

08 abril 2020 - 15h25Por Rodrigo Branco

Empresários cabofrienses trabalham numa iniciativa para movimentar a economia de Cabo Frio em tempos de epidemia de coronavírus e, ao mesmo tempo, aumentar a oferta de equipamentos de proteção. A ideia é que o segmento de moda praia absorva a demanda pela fabricação de máscaras e macacão de TNT, cuja demanda aumentou bastante nos últimos tempos.

O empresário do ramo de esportes Davi Souza disse que já conversou com outros dois donos de confecção, que estão interessados em levar a ideia adiante após as férias coletivas na Rua dos Biquínis, polo de moda praia da Gamboa, nas próximas semanas. A produção dos equipamentos de proteção individual (EPIs) seria caseira, pela impossibilidade de haver aglomerações nos ateliês.

– Existe uma característica da nossa turma da praia, que é a produção terceirizada, que é basicamente domiciliar. São costureiras que têm máquina em casa e produzem por encomenda para as marcas que vendem biquíni – explica.

No entanto, Davi complementa que é necessário o apoio do poder público para que a confecção das máscaras saia do papel.

– É preciso ter a garantia do fornecimento do material para a produção em larga escala; a inspeção sanitária, porque seriam máscaras cirúrgicas; e a logística para abastecer o mercado interno e o setor de Saúde, em nível regional, estadual e nacional – observa ele, que falou do assunto em sua coluna para a Folha dos Lagos

O presidente da Associação dos Comerciantes da Rua dos Biquínis (Acirb), Armando Braga, afirmou que foi procurado uma vez para tratar do assunto, mas não houve avanço.

– Tive uma abordagem de um senhor do Sebrae, tempos atrás, e naquela altura, disse que estávamos em férias coletivas, como estamos até o dia 20 deste mês. Não sei como isso está. Estamos cumprindo religiosamente as diretrizes do nosso prefeito  e vou continuar até que haja autorização para trabalhar –  comentou Braga, que prosseguiu.

– Está complicada [a situação], como está para todo o comércio em geral. O verão não foi bom e tivemos que parar por causa do coronavírus. Por isso, eu e a maior parte das empresas demos férias coletivas. Estamos à espera no que isso vai dar. É uma situação que nunca vivenciamos – concluiu.

 

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.