Assine Já
sábado, 08 de agosto de 2020
Região dos Lagos
26ºmax
15ºmin
Alerj
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 4786 Óbitos: 283
Confirmados Óbitos
Araruama 820 56
Armação dos Búzios 357 9
Arraial do Cabo 120 12
Cabo Frio 1563 93
Iguaba Grande 334 23
São Pedro da Aldeia 748 39
Saquarema 844 51
Últimas notícias sobre a COVID-19
Arraial

Empresa de Arraial do Cabo inova na proteção de equipamentos contra maresia

No-Ox é pioneira na região no uso da nanotecnologia 

07 outubro 2015 - 10h18Por Rodrigo Branco

O resultado visual im­pressiona, mas a ‘mágica’ não acontece a olho nu. É em nível microscópico que se dá o princípio quími­co responsável por aquela que é uma das tecnologias mais recentes e inovado­ras no campo da proteção de equipamentos eletro­eletrônicos e fachadas de imóveis expostos à ação da maresia e da oxidação, impedindo sua corrosão.

    

Trata-se da nanotecno­logia, campo de atuação científica onde o átomo, a menor partícula de uma matéria, é manipulada em laboratório tornando im­permeáveis as superfícies onde a substância chama­da ultraeverdry, produzida pela empresa california­na Ultratech, é aplicada. A técnica já é largamente difundida na indústria de microprocessadores e ou­tros microcomponentes eletrônicos, hoje usados em apetrechos considera­dos indispensáveis no co­tidiano das pessoas, como tablets e smartphones.

No Brasil, uma das três únicas empresas – e a úni­ca no estado do Rio – cre­denciadas pela fabricante norte-americana fica na Região dos Lagos, em Ar­raial do Cabo, lugar onde o desgaste pela ação do ar extremamente salinizado é tão comum quanto evi­dente. Por conta disso, a No-Ox Nanotecnologia, fundada este ano, se lança ao mercado com um vasto campo de atuação pela fren­te e muita vontade de liderar o segmento. Um dos cinco sócios, Leonardo Santos, trata de apresentá-la.

– Somos uma empresa nova e trabalhamos com a impermeabilização de diversas superfícies con­tra infiltrações, oxidações e contaminações, tanto na indústria como para resi­dências – diz Leonardo.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta quarta-feira (7)