Assine Já
sexta, 05 de março de 2021
Região dos Lagos
31ºmax
21ºmin
Tropical
Tropical mobile
TEMPO REAL Confirmados: 27159 Óbitos: 934
Confirmados Óbitos
Araruama 6957 183
Armação dos Búzios 3253 32
Arraial do Cabo 865 38
Cabo Frio 7495 359
Iguaba Grande 2563 58
São Pedro da Aldeia 3575 130
Saquarema 2451 134
Últimas notícias sobre a COVID-19
Arraial

Empresa de Arraial do Cabo inova na proteção de equipamentos contra maresia

No-Ox é pioneira na região no uso da nanotecnologia 

07 outubro 2015 - 10h18Por Rodrigo Branco

O resultado visual im­pressiona, mas a ‘mágica’ não acontece a olho nu. É em nível microscópico que se dá o princípio quími­co responsável por aquela que é uma das tecnologias mais recentes e inovado­ras no campo da proteção de equipamentos eletro­eletrônicos e fachadas de imóveis expostos à ação da maresia e da oxidação, impedindo sua corrosão.

    

Trata-se da nanotecno­logia, campo de atuação científica onde o átomo, a menor partícula de uma matéria, é manipulada em laboratório tornando im­permeáveis as superfícies onde a substância chama­da ultraeverdry, produzida pela empresa california­na Ultratech, é aplicada. A técnica já é largamente difundida na indústria de microprocessadores e ou­tros microcomponentes eletrônicos, hoje usados em apetrechos considera­dos indispensáveis no co­tidiano das pessoas, como tablets e smartphones.

No Brasil, uma das três únicas empresas – e a úni­ca no estado do Rio – cre­denciadas pela fabricante norte-americana fica na Região dos Lagos, em Ar­raial do Cabo, lugar onde o desgaste pela ação do ar extremamente salinizado é tão comum quanto evi­dente. Por conta disso, a No-Ox Nanotecnologia, fundada este ano, se lança ao mercado com um vasto campo de atuação pela fren­te e muita vontade de liderar o segmento. Um dos cinco sócios, Leonardo Santos, trata de apresentá-la.

– Somos uma empresa nova e trabalhamos com a impermeabilização de diversas superfícies con­tra infiltrações, oxidações e contaminações, tanto na indústria como para resi­dências – diz Leonardo.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta quarta-feira (7)