Assine Já
quarta, 20 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
29ºmax
22ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 21341 Óbitos: 711
Confirmados Óbitos
Araruama 5363 160
Armação dos Búzios 2875 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 5750 231
Iguaba Grande 1988 50
São Pedro da Aldeia 3048 106
Saquarema 1666 101
Últimas notícias sobre a COVID-19
NEA-BC

Em reunião por Lagoa, NEA-BC rebate dados sobre tratamento de esgoto

Órgão apresenta laudo que contesta versão de Comitê de Bacias de que '80% do esgoto da região são tratados'

14 setembro 2015 - 09h47
Em reunião por Lagoa, NEA-BC rebate dados sobre tratamento de esgoto

A chuva insistente e o tempo frio em Arraial do Cabo; além da concorrência da implosão do aqueduto na Estrada da Rebeche, que causou grande curiosidade na população da cidade, não intimidaram os interessados em participar da segunda reunião pública para discutir a poluição na Lagoa de Araruama, realizada neste domingo (13), no Sindicato dos Funcionários da Álcalis, pelo Núcleo de Educação Ambiental da Bacia de Campos (NEA-BC). A grande expectativa para o encontro seria o debate entre os integrantes do NEA-BC e a presidente do Comitê de Bacias Lagos São João, Dalva Mansur, que na reunião anterior, ocorrida há duas semanas, disse que "80% do esgoto da região são tratados". Munidos de um laudo encomendado junto a um laboratório de Macaé, os ambientalistas contestaram a afirmação.

De acordo com o documento, a quantidade de microorganismos está acima do permitido em metade das 12 amostras coletadas em diferentes pontos da laguna nas cidades de Arraial do Cabo, Cabo Frio, São Pedro da Aldeia, Araruama e  Iguaba Grande. Estão nessa situação a saída da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) de Arraial; as regiões das Palmeiras e da Praia do Siqueira, em Cabo Frio; a Praia da Tereza, em São Pedro da Aldeia; e as regiões do Barbudo e do Pirata, em Araruama. Além desses dados, o resultado do teste mostra que vários trechos da laguna não estão dentro dos parâmetros de quantidades de oxigênio e fósforo presentes na água.No entanto, com a ausência de Mansur, o esperado debate não aconteceu.

A reunião contou com a presença de diversas autoridades representando o poder público, membros da sociedade civil, em especial do Movimento Salve a Lagoa, além do deputado estadual Janio Mendes (PDT). Diante dos problemas apresentados, foi formada uma comissão de trabalho para a busca de uma solução. A próxima reunião pública está marcada para 2 de outubro, em local e horário a serem definidos.