Assine Já
terça, 19 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
31ºmax
22ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 21341 Óbitos: 711
Confirmados Óbitos
Araruama 5363 160
Armação dos Búzios 2875 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 5750 231
Iguaba Grande 1988 50
São Pedro da Aldeia 3048 106
Saquarema 1666 101
Últimas notícias sobre a COVID-19
Geral

Em menos de um mês, dois jornalistas são assassinados em Maricá

Romário da Silva Barros, do Lei Seca Maricá, teria sido morto com três tiros na cabeça

19 junho 2019 - 08h52
Em menos de um mês, dois jornalistas são assassinados em Maricá

Integrante do portal de notícias Lei seca Maricá, que tem mais de 160 mil seguidores, Romário da Silva Barros, 31 anos, foi assassinado na noite de ontem no bairro Araçatiba, em Maricá. Informações iniciais dão conta de que o jornalista teria levado três tiros na cabeça. O caso choca a cidade e região porque em menos de um mês, este é o segundo jornalista assassinado na cidade. No último dia 25, Robson Giorno, proprietário do jornal 'O Maricá', foi morto na porta de casa, no Boqueirão. 

O caso está sendo investigado pela Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo (DHNSG) e a Polícia Civil busca imagens de câmeras de segurança para ajudar na elucidação do caso.

A prefeitura de Maricá repudiou o crime:

"A Prefeitura de Maricá vem a público manifestar a sua indignação e o seu repúdio a mais esse ato de violência contra um jornalista da cidade. Investigação imediata e a identificação e punição dos responsáveis é urgente para a população de Maricá. Um atentado contra a liberdade de expressão.

Maricá não é nem nunca será o santuário para delinquentes de qualquer espécie. Reforçamos nosso inteiro compromisso com a liberdade de imprensa e de expressão. Qualquer ato de violência deve ser repudiado. Reafirmamos ainda nossa permanente preocupação com a segurança de todos os que vivem e trabalham no município.". 

Em outubro de 2018, Romário recebeu uma certidão do Ministério Público que afirmava que o jornalista não tinha participação em grupos de milícia da cidade. O documento foi expedido porque ele havia sido vítima de fake news, como o próprio esclareceu na época no Portal Lei Seca Maricá. Na foto, o jornalista posa em frente ao MP com a certidão na mão. 

De acordo com a Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI) foi instaurado inquérito para apurar o homicídio de Romário da Silva Barros. Foi realizada perícia no local e diligências estão sendo realizadas para esclarecer as circunstâncias e a autoria do crime. As investigações estão em andamento.

 

Caso Robson também está na Homicídios de Niterói e São Gonçalo

A investigação sobre a morte do jornalista Robson Giorno também está a cargo da Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo (DHNSG), que realizou nesta segunda-feira uma operação em Maricá para cumprir mandado de busca e apreensão como parte da investigação. Aparelhos de celular, computadores, documentos e tablet foram levados para análise.