Assine Já
terça, 19 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
31ºmax
22ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 21341 Óbitos: 711
Confirmados Óbitos
Araruama 5363 160
Armação dos Búzios 2875 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 5750 231
Iguaba Grande 1988 50
São Pedro da Aldeia 3048 106
Saquarema 1666 101
Últimas notícias sobre a COVID-19
TOTAL OU PARCIAL

Em Cabo Frio, pesquisa aponta que 82% da população quer reabertura do comércio

Historiador vai ao MP, Defensoria e OAB contra pedido de entidades "sem estudo científico"; empresários divulgam manifestação nas redes sociais

22 maio 2020 - 20h13Por Rodrigo Branco e Rodrigo Cabral

Uma pesquisa apontou que 82,7% dos cabofrienses apoiam a reabertura parcial ou total do comércio no município. A sondagem foi feita pelo Instituto Iguapé nos últimos dias 8 e 9 de maio, com 820 pessoas de diversos bairros da cidade, no primeiro e segundo distritos. De acordo com o levantamento, 45,9% dos entrevistados defendem a reabertura parcial dos estabelecimentos e 36,8% o funcionamento total, sem restrições. Outros 16% são contrários à reabertura e 1,3% das pessoas não sabem ou não opinaram.

No momento, um decreto do prefeito Adriano Moreno (DEM) mantém abertos somente os estabelecimentos considerados essenciais, como supermercados, farmácias, padarias e hortifrutis, entre outros. Recentemente, Adriano liberou outros segmentos para trabalhar como os de construção civil, lojas de material de construção, borracharia e oficinas mecânicas, mas garantiu que não haveria novas permissões até o próximo dia 31, quando vencem as medidas de restrição. Contudo, a pressão para que haja liberação de outros setores é cada vez maior. 

Questionada sobre o resultado da pesquisa, a presidente da Associação Comercial e Industrial (Acia), Patrícia Cardinot, afirmou que reflete o desejo da maioria do empresariado cabofriense.

– Precisamos da flexibilização [do funcionamento do comércio] de forma urgente, porque todo mundo já está num caos total. A situação está muito crítica. Tem muito a ser feito ainda. Esse vírus não vai cessar assim. Mas a gente precisa voltar. Todo mundo vai ter cuidado total, vamos ter total atenção quanto ao uso de máscara, de álcool gel e de todo trâmite necessário, mas precisamos que, inclusive, o Ministério Público entenda que daqui a pouco, se demorarmos a voltar, vamos começar a ter sérios problemas com a segurança pública da cidade de Cabo Frio e de Tamoios – argumenta a empresária, que também é presidente do Conselho Comunitário de Segurança.

Empresário do ramo imobiliário, assim como Patrícia, Jefferson Buitrago demonstra preocupação com a situação econômica, mas prega cautela.

– Eu também sou a favor da abertura do comércio. Eu também preciso que o comércio abra, mas, nesse momento, é uma decisão sensata [manter o comércio fechado]. Nós temos uma rede hospitalar em Cabo Frio que comporte uma explosão de casos na cidade? Por que é o que vai acontecer. Em todos os lugares que abriram isso aconteceu, aqui certamente não será diferente – alertou.

Protesto – Uma manifestação está sendo convocada para terça-feira, às 9h, em frente à prefeitura. Ela é organizada por integrantes dos movimentos ‘Luto no comércio de Cabo Frio’ e ‘SOS Hotéis de Cabo’. Segundo Wagner Lucas, um dos representantes do grupo, o protesto reunirá de 100 a 200 pessoas. O distanciamento, ele afirma, será garantido por sinalização com adesivos colados ao chão. 

– Estamos pleiteando a reabertura do comércio de maneira gradual e coerente. Queremos que todos façam a sua parte, indo de máscara e álcool gel. Também vamos distribuir álcool gel. Queremos a liberação do drive thru e do take away, com a retirada do produto em loja. E, a partir de primeiro de junho, a reabertura do comércio de maneira gradual. Cada um de uma vez, com horários reduzidos. E também queremos a atenção do poder público em relação a descontos em encargos, como IPTU, alvará e ISS –  disse Wagner Lucas. 

Em Cabo Frio, o Ministério Público recomendou à prefeitura e ao 25º BPM a proibição de carreatas a favor da reabertura do comércio. No documento, o MP apontou que poderia haver aglomeração de pessoas durante as manifestações, o que é considerado impróprio pelas autoridades médicas e sanitárias em razão da propagação do novo coronavírus (Covid-19).

Esta semana, diversas entidades – como a Acia e a 20ª Subseção da OAB –  se uniram para pedir a reabertura gradual do comércio, posicionando-se contra um possível lockdown. O historiador Luiz Guilherme Scaldaferri questionou a solicitação em representações feitas ao Ministério Público, Defensoria Publica, Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e ouvidoria da OAB/RJ. Scaldaferri afirma que não há embasamento científico para que as entidades façam tal solicitação. Ele também manifestou estranheza a respeito da participação da OAB no grupo. 

– A OAB, em termos nacionais, sempre teve um ativismo em relação aos direitos humanos,  o que parece estar sendo esquecido ou, o que é pior, desconhecido por parte da subseção de Cabo Frio.
De outro lado o presidente da 20ª Subseção da OAB/RJ Cabo Frio e Arraial opinou que “o município já teve  o tempo necessário para se estruturar”.
 

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.