Assine Já
terça, 24 de novembro de 2020
Região dos Lagos
25ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 11693 Óbitos: 534
Confirmados Óbitos
Araruama 2347 117
Armação dos Búzios 1025 16
Arraial do Cabo 364 16
Cabo Frio 3625 181
Iguaba Grande 1069 40
São Pedro da Aldeia 1801 75
Saquarema 1462 89
Últimas notícias sobre a COVID-19
eleições

Eleições 2018 já mobilizam bastidores políticos de Cabo Frio

Pelo menos, quatro vereadores articulam pré-candidaturas a deputado

04 julho 2017 - 01h00Por Redação I Fotos: Arquivo Folha
Eleições 2018 já mobilizam bastidores políticos de Cabo Frio

O segundo semestre mal deu as ca­ras e o cenário político em Cabo Frio já esquenta com relação às eleições gerais do ano que vem. A Câmara Municipal acaba de entrar em reces­so, mas as articulações já estão a todo vapor. Pelo menos cinco nomes estão sendo ventilados para tentar uma vaga na Câmara dos Deputados ou na As­sembleia Legislativa: Rafael Peçanha (PDT), Luis Geraldo (PRB), Miguel Alencar (PPS) e Letícia Jotta (PSC) devem disputar uma cadeira em Bra­sília, enquanto Jefferson Vidal (PSC) é cotado para buscar um lugar ao sol no Palácio Tiradentes.

No último sábado, Peçanha teve lançada a pré-candidatura à Câmara Federal durante encontro regional do PDT em Cabo Frio. Vereador de pri­meiro mandato, Peçanha disse que irá discutir uma eventual candidatura com a sociedade. Ele nega que a de­cisão seja precipitada ou movida por vaidade. O parlamentar disse que o partido o convidou por ter sido o can­didato mais votado do PDT nos mu­nicípios a partir de Niterói e o décimo em todo o estado.

– Acredito que todo cargo público deve servir para mudar Cabo Frio. Eu estou à disposição do povo da minha cidade. Se ele quiser, serei vereador, deputado ou prefeito. Quero dar mi­nha contribuição para o nosso municí­pio, pois essa história de revezamento no poder já estrangulou a nossa histó­ria. A hora de mudar é agora. Como será, o povo decidirá.

Exercendo o quarto mandato no Legislativo municipal, Luis Geraldo acredita que está pronto para subir alguns degraus na vida pública. O ve­reador afirma que as conversas estão avançadas, mas prefere não dar a can­didatura como favas contadas. A um ano e três meses do pleito, ele diz que muita coisa ainda está para acontecer, mas dá ombros sobre as possíveis crí­ticas a uma interrupção do mandato pela metade.

– Estou nisso há muito tempo. Mi­nha preocupação não é com o que os outros vão achar. Sei o que faço. Minha preocupação é com a cidade. Preciso tentar algo a mais, senão per­de a motivação. Meus eleitores me conhecem e sabem que faço um tra­balho sério – disse o atual primeiro-secretário da Câmara, também sem se incomodar com um eventual apoio do prefeito Marquinho Mendes à candi­datura do ministro do Esportes, Leo­nardo Picciani.

Letícia Jotta é outra que fala do as­sunto de maneira reservada. A verea­dora novata afirma que pensou incial­mente em tentar uma vaga na Alerj, mas a preferência é do colega e presi­dente municipal do partido, Jefferson Vidal. Considerada um trunfo pelo PSC para fazer parte da bancada no Congresso, Letícia também rebate os comentários de que deve completar os quatro anos no cargo para tentar alçar voos maiores.

– O mandato é do partido. Algumas pessoas são leigas e não entendem isso. Se eu brigar com a Regional e sair do partido, por exemplo, eu perco o mandato. Não é um projeto pessoal. Pessoalmente, antes de sair como de­putada, eu até gostaria de me candida­tar a um cargo majoritário na cidade, como vice-prefeita por exemplo, mas a gente quer e tem que pensar no cres­cimento do partido – diz.

Líder do governo Marquinho, Mi­guel Alencar admite conversas para uma possível candidatura, mas afirma que, no momento, pensa apenas na ‘reconstrução da cidade’.

– Este momento é de união de es­forços em benefício da cidade. Tanto os deputados com mandato, os vere­adores e qualquer cidadão que tenha pretensão para 2018, para o bem da cidade deve se manter na expectativa e trabalhar para a reversão do atual quadro da cidade. Não é o momento de se falar de 2018 ou já viver uma campanha – afirma.

A reportagem não conseguiu conta­to com o vereador Jefferson Vidal, uma vez que seu telefone estava desligado.