Assine Já
quarta, 25 de novembro de 2020
Região dos Lagos
26ºmax
17ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 11693 Óbitos: 534
Confirmados Óbitos
Araruama 2347 117
Armação dos Búzios 1025 16
Arraial do Cabo 364 16
Cabo Frio 3625 181
Iguaba Grande 1069 40
São Pedro da Aldeia 1801 75
Saquarema 1462 89
Últimas notícias sobre a COVID-19
contratos temporários

Educação terá reforço com temporários para ano letivo 2017

Prefeitura faz contrato de três meses com professores aprovados em concurso de 2009

14 abril 2017 - 12h14Por Gabriel Tinoco I Foto: Divulgação Sepe
Educação terá reforço com temporários para ano letivo 2017

A dez dias do começo do ano letivo de 2017, a secretaria de Educação está realizando contratos de três meses, mas somentes para parte dos aprovados no concurso da Educação de 2009. De acordo com a secretária Laura Barreto, o motivo é colocar os professores em sala de aula enquanto a convocação do concurso, que deve demorar pelo menos dois meses, não acontece. A contratação temporária foi autorizada pela Justiça e deverá ser publicada
em edital hoje. A decisão foi tomada em reunião da secretária com a Procuradoria do Município,na manhã de ontem.

A diretora do Sepe, Denise Teixeira, reforça a necessidade de maior efetivo para o retorno das aulas. – O grande problema que enfrentamos
nas escolas é a falta de pessoal, uma vez que quase 70% é contratado.

A professora Denize Alvarenga não quer que os contratados substitutam os efetivos após alguns dias.

– Imagina: a criança começa o ano e, com 20 dias, troca o professor. É anti-pedagógico. Sem contar que podem usar isso para enrolar ainda mais – afirma.

Entenda o caso – Com a morosidade do governo em chamar os concursados, uma comissão do Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação (Sepe Lagos) entrou com um processo para exigir a convocação em 2013. 

Em janeiro deste ano, o governo se reuniu com membros do sindicato e prometeu convocar 230 dos 1.230 concursados de 2009. Estudos da Secretaria de Educação, porém, afirmam que são somente 1.018 servidores.

O acordo foi encaminhado ao Ministério Público para ser homologado junto ao processo. O órgão compreendeu que os cargos deveriam ser criados pela Câmara, o que impossibilitaria os concursados a trabalharem no primeiro dia de aula.