Assine Já
quarta, 25 de novembro de 2020
Região dos Lagos
26ºmax
17ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 11693 Óbitos: 534
Confirmados Óbitos
Araruama 2347 117
Armação dos Búzios 1025 16
Arraial do Cabo 364 16
Cabo Frio 3625 181
Iguaba Grande 1069 40
São Pedro da Aldeia 1801 75
Saquarema 1462 89
Últimas notícias sobre a COVID-19
Educação

Educação de Cabo Frio decide prolongar a greve

Sindicato vota por paralisação até que o 13º dos servidores seja pago integralmente

09 dezembro 2015 - 09h04Por Nicia Carvalho, Gabriel Tinoco

Em assembleia realizada na noite de ontem, o Sepe Lagos, sindicato que representa os ser­vidores da Educação em Cabo Frio, decidiu pela manutenção da greve até que o 13º salário do funcionalismo público seja pago integralmente. Além disso, a ca­tegoria vai manter o calendário de protestos e manifestações, começando por amanhã, na ses­são da Câmara Municipal.

Outro protesto se repetirá no dia seguinte, dessa vez em frente à Prefeitura. Uma nova assem­bleia está marcada para o dia 14, a próxima segunda-feira, para deliberar sobre os novos rumos do movimento de luta.

Segundo o Sepe Lagos, a con­clusão deste ano letivo de acor­do com o calendário oficial está ameaçado. A declaração vem após a tentativa frustada de ten­tar dialogar com a Câmara, on­tem, para que os vereadores in­tercedam junto ao prefeito Alair Corrêa (PP) na abertura das ne­gociações com a Educação. Em atraso no pagamento, o Sepe ga­rantiu que durante a paralisação notas e relatórios finais não se­rão entregues.

– Uma greve nesta altura re­almente dificulta o encerramen­to do ano letivo como previa o calendário, mas a greve é por tempo indeterminado, pois o pa­gamento não foi efetuado como previsto em lei, colocando total insegurança da categoria quan­to ao décimo terceiro, direito de todo trabalhador – explicou Denise Teixeira, diretora de im­prensa do Sepe.

Segundo ela, a falta de nego­ciação do governo com a catego­ria prejudica o calendário. No en­tanto, ontem, durante a sessão da Câmara, Denise afirmou que em conversa com o líder do governo, o vereador Taylor, ele prometeu conversar hoje com o prefeito, já que haverá uma reunião entre eles, às 10h, para tentar abrir es­paço para as negociações. A pau­ta do encontro, contudo, não foi informada à imprensa.

– Essa resistência do governo em negociar com a categoria e continuar retirando direitos, pode sim, fazer com que o ano letivo não se encerre este ano e tenha que ser concluído no início do próximo ano. Fica praticamente impossível concluir o calendário até o dia 16 – antecipou.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta quarta-feira (9)