Assine Já
quinta, 05 de agosto de 2021
Região dos Lagos
23ºmax
13ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 46659 Óbitos: 1894
Confirmados Óbitos
Araruama 11510 362
Armação dos Búzios 5522 58
Arraial do Cabo 1591 88
Cabo Frio 12723 768
Iguaba Grande 4824 117
São Pedro da Aldeia 6240 275
Saquarema 4249 226
Últimas notícias sobre a COVID-19
Geral

Edificações atrás do Convento sob análise da prefeitura e Iphan

Órgão vai fazer identificação dos imóveis e programar reunião

09 julho 2019 - 08h43
Edificações atrás do Convento sob análise da prefeitura e Iphan

RODRIGO BRANCO

Discretamente, atrás de um cenário que remonta o período colonial em Cabo Frio, o antigo Convento Nossa Senhora dos Anjos, cresce uma comunidade longe dos olhares das pessoas que passam apressadas pelo Largo de Santo Antônio ou esperam o ônibus no terminal do Itajuru. No entanto, o surgimento de novas habitações em uma área tombada, nos pés do Morro da Guia, não passa despercebida pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), que se movimenta, ainda que cautelosamente, para resolver a questão.

A reportagem esteve no local e pôde observar a existência de diversos imóveis, alguns dos quais em processo de expansão, inacabados e com tijolos à mostra. Em outro, um segundo pavimento está sendo construído. O local também é usado como depósito de carrinhos de alguns ambulantes que trabalham naquelas proximidades, a poucos minutos do centro comercial da cidade. A prefeitura também acompanha o caso, mas, assim como o Iphan, admite a complexidade da solução, por causa da questão social, uma vez que diversas famílias estão estabelecidas no local há anos.

O chefe do escritório técnico do Iphan na Região dos Lagos, Felipe Borel, diz que o objetivo é realizar ainda este mês a identificação dos imóveis e, em seguida, programar uma reunião com os moradores. 

– É uma questão de trato delicado, pois envolve, além da necessidade de preservação do bem tombado, a demanda por solução alternativa de habitação em alguns casos. No momento, estamos buscando a resolução por meio de uma parceria com a prefeitura. Nessa parceria, vamos iniciar a identificação das construções que estão ali, convocar uma reunião geral com os moradores para que se apresente a questão e se informe da necessidade de se adequarem a um determinado padrão aceitável, sob o risco de providências legais para solução do caso – afirma Borel.

O secretário municipal de Desenvolvimento da Cidade e coordenador-geral de Planejamento, Felipe Araújo, confirma que a prefeitura têm ciência do problema e diz que todas as providências na área administrativa, como vistorias e notificações, já foram tomadas. Entretanto, o secretário alega que o município não tem recursos para desapropriar a área e que já atua no limite.

– Já há toda uma questão processual tramitando no Ministério Público Federal a respeito dessas construções e a prefeitura fez todas as notificações possíveis. Exaurimos as esferas administrativas para lidar com esse assunto, mas a gente também está sensível à questão social do espaço para aquelas famílias. Então é um tema bem complexo e difícil de lidar porque, por um lado, envolve o entrono de um bem tombado e coletivo, e por outro, está lidando com pessoas. A gente tem instruído os processos na esfera judicial, mas a prefeitura nunca vai chegar de uma hora para outra destruindo as casas de uma forma autoritária. A gente está estudando alternativas, possibilidades – disse Araújo.

No momento, o maior desafio é evitar que a situação saia de controle. O próprio secretário de Desenvolvimento da Cidade afirma que continuamente são geradas demandas no local de limpeza urbana e de fiscalização de Posturas. O coordenador de Assuntos Fundiários da prefeitura, Ricardo Sampaio, afirma que não recebeu denúncias sobre novas construções no local, mas programa uma visita para fiscalizar uma possível expansão na comunidade.

– Ali tem problema de construções mesmo, é uma área tombada, não se pode construir. Vou dar uma olhada com a equipe, o que tiver eu já embargo e aí só para segurar e dar tempo de ver se tem algum procedimento administrativo – disse Sampaio.