Assine Já
sábado, 26 de setembro de 2020
Região dos Lagos
29ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8076 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1625 102
Armação dos Búzios 483 10
Arraial do Cabo 242 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1323 51
Saquarema 1177 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
claudia faissal cabo frio

"É preciso acabar com a cultura machista", diz titular da Delegacia da Mulher em Cabo Frio

25 julho 2016 - 20h51
"É preciso acabar com a cultura machista", diz titular da Delegacia da Mulher em Cabo Frio

Responsável pela Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher, em Cabo Frio, a delegada-titular Cláudia Faissal conversou com a Folha sobre os dez anos da Lei Maria da Penha e também da Lei do Feminicídio, esta mais recente, pois tem pouco mais de um ano.
De acordo com a delegada, apesar dos avanços na legislação, a cultura machista da sociedade ainda fomenta crimes como os que vitimaram Victoria, Thaynara e Rayzza. 

– A separação do feminicídio dos demais assassinatos de mulheres serve para mostrar tamanho do problema – comenta.

Folha dos Lagos – Quais os avanços na legislação?

Cláudia Faissal – Tanto a lei  Maria da Penha como a lei do feminicídio fizeram o Estado reconhecer o problema e tentar adotar medidas mais eficientes para proteger a mulher que continua sendo vítima da violência de gênero. Continua sendo agredida e morta por ser mulher. Mas é preciso lembrar que a lei é só um papel, não pode mudar a cabeça das pessoas. A violência de gênero é histórica e cultural. Para avançar tem que mudar a mentalidade por meio de campanhas e parar de disseminar a ideia de que a mulher é objeto e pertence ao homem.
Folha – Há explicação para aumento do número de casos na região?

Cláudia – Acho que não existe causa específica para aumento na região. Esse problema atinge o Brasil e o mundo. Como eu disse, isso é resultado da cultura machista. Quanto a mais a mulher quer alcançar o seu espaço, o machismo vem de forma brutal. Outro ponto em relação aos dados, é que hoje é mais fácil identificar as mulheres que são vítimas por serem mulheres. Antes nas estatísticas entrava tudo. Os números hoje são mais evidentes e o lado positivo da legislação é que chamou a atenção das pessoas.

Folha – O que a senhora tem a dizer a quem sofre algum tipo de violência mas tem medo ou vergonha de pedir ajuda? 

Cláudia – O caminho é procurar ajuda da polícia e da Justiça na primeira agressão, na primeira ameaça. Mesmo que a violência seja psicológica. 
Folha – De que a modo a Deam tem contribuído e como pode aprimorar a proteção á mulher? 

Cláudia – O trabalho policial é fazer o registro e encaminhar rapidamente para que o juiz tome medidas protetivas. Mas é importante que a vítima informe a delegacia em caso de descumprimento da medida por parte do homem.

Folha – Em meio à crise do Estado, como a Deam está fazendo para não prejudicar o atendimento?

Cláudia – Estamos fazendo tudo para que isso não afete. Pedimos ajuda à sociedade e apoio aos comerciantes quando tivemos problemas com a impressora. Mas mesmo quando houve a paralisação parcial não deixamos de fazer os registros. Somos atingidos (pela crise),