Assine Já
terça, 22 de setembro de 2020
Região dos Lagos
19ºmax
16ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7847 Óbitos: 412
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 473 10
Arraial do Cabo 231 13
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1284 51
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
velejadores

Dupla de velejadores sul-africanos para em Cabo Frio

Braam Malherbe e Wayne Robertson percorreram 7.500 quilômetros em 93 dias de viagem

10 maio 2017 - 08h00Por Texto e foto: Gabriel Tinoco
Dupla de velejadores sul-africanos para em Cabo Frio

 Braam Malherbe e Wayne Robertson receberam a bandeira brasileira ao atracarem no cais

No esverdeado litoral de uma das três capitais sul-africanas, a Cidade do Cabo, sob a vigília da Montanha da Mesa, um dos cartões-postais da cidade, a lar­gada de uma grande aventura: os velejadores sul-africanos Braam Malherbe e Wayne Robertson subiram no pequeno barco ape­lidado de Mhondoro rumo ao Brasil. E o cenário para o de­sembarque ontem, não menos belo que o da cidade da partida, foi o Iate Clube, em Cabo Frio, com a vista da bela Ilha do Ja­ponês. A dupla percorreu 7.500 quilômetros em 93 dias de via­gem, que, ao que parece, rendeu boas histórias em alto mar.

Após tanto tempo sem terra firme, os velejadores posaram para fotos, enrolados nas bandei­ras do Brasil e da África. Na che­gada, Braam Malherbe não re­sistiu ao primeiro pedido: “onde está a cerveja?”, questionou, ar­rancando risadas dos amigos e da imprensa. No dia 14, a dupla prossegue na viagem à Marina da Glória, no Rio de Janeiro.

– Vamos passear e conhecer a cidade (Cabo Frio). No dia 14, vamos mostrar o barco e fazer o marketing do projeto. Vamos dar entrevistas no Rio também – re­vela Braam.

Os sorrisos envoltos pela bar­bas grisalhas, fruto das dificul­dades de se barbear em alto mar, contrastavam com os contratem­pos da jornada.

– Não dormi por mais de uma hora em sequência. Também foi difícil fazer comida. As ondas de quase cinco metros viraram o barco umas quatro vezes em um dia. Precisava da luz solar para fazer água potável. E a maioria dos dias era nublado. Também perdi minha cadeira em uma tempestade, o que tornou mais desconfortável. Foram muitas dificuldades – afirma Wayne Ro­bertson, que mostrava as mãos cheias de calos pelas remadas.

Em sua quarta passagem pelo Brasil, Wayne encheu o país de elogios.

– Eu amo as pessoas, a natu­reza. Adoro o clima do Brasil. Também gosto de surfar quando venho para cá – disse o veleja­dor, que perdeu cinco quilos na viagem.

A dupla foi recebida por atle­tas cabofrienses na chegada a Cabo Frio.