Assine Já
quinta, 01 de outubro de 2020
Região dos Lagos
30ºmax
21ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8438 Óbitos: 437
Confirmados Óbitos
Araruama 1675 103
Armação dos Búzios 500 10
Arraial do Cabo 256 15
Cabo Frio 2775 149
Iguaba Grande 699 37
São Pedro da Aldeia 1353 54
Saquarema 1180 69
Últimas notícias sobre a COVID-19
barqueiros

Donos de barco de Arraial do Cabo vão entrar na Justiça

Grupo protestou ontem na Marina contra lei aprovada às pressas

08 dezembro 2016 - 07h36
Donos de barco de Arraial do Cabo vão entrar na Justiça

 Os donos de barco de Arraial do Cabo estão em pé de guerra com a Prefeitura e com os ve­readores depois que a Câmara aprovou anteontem a criação do Bilhete Único para cobrança dos passeios marítimos. Como res­posta, as associações que repre­sentam a categoria entrarão no Ministério Público Federal para denunciar o processo de con­cessão, que terá a validade de 25 anos. Os barqueiros alegam que o projeto de lei foi votado às pressas, sem transparência ou audiências públicas com a socie­dade. De quebra, foi aprovada legislação que estabelece novo sistema de cobrança de estacio­namento nas ruas da cidade.

A medida da indignação foi vista na manhã de ontem na Ma­rina dos Pescadores, na Praia dos Anjos, de onde saem os barcos de passeio. Um grupo de aproxima­damente 35 donos de barcos este­ve no local para protestar contra a aprovação da tarifa. Os ânimos se acirraram e alguns mais exal­tados chegaram a insinuar que promoveriam um quebra-quebra, mas não foram registrados inci­dentes. Também houve ameaça de liberar a catraca para entrada de passageiros sem o pagamento da taxa de embarque, o que, no fim, não se concretizou.

– Acontece que hoje o passeio é vendido a R$ 60 e não sabemos quanto ele vai passar a custar, nem quanto vai chegar ao nosso bolso. Não escutaram a gente e colocaram essa lei goela abaixo – critica o diretor da Associação dos Barqueiros Tradicionais da Praia dos Anjos, Ângelo de Ma­cedo Alves, o ‘Shogun’.

Representante da mesma enti­dade, Marcelo Amaral fez coro e afirmou que a atitude da Câmara rompeu promessa feita pelos ve­readores durante reunião do Con­selho da Reserva Extrativista, na qual foi prometido que os traba­lhadores seriam ouvidos antes do projeto entrar na pauta, o que não teria acontecido. Para Marcelo, a medida foi ‘ditatorial’.

– Na verdade, a gente não é contra a implantação do Bilhete Único e sim a forma como isso foi feito. Isso sem contar que é uma medida inconstitucional aprovar uma matéria dessa im­portância, que impacta na vida de tanta gente sem consultar os interessados. Tem que empode­rar os atores locais e não botar uma empresa que vai enriquecer às custas do nosso trabalho por 25 anos – afirmou.

O barqueiro Júnior Aroldo afirmou que a sessão que decidiu a questão aconteceu de forma re­lâmpago e acusou os vereadores governistas de tratarem os mani­festantes com deboche.

– Da maneira errada que foi feita, prejudica todo mundo: do pequeno ao grande barco. Estão querendo resolver isso de qual­quer maneira para que eles pró­prios arrecadem – acusa.

Sob muitos protestos da assis­tência, a matéria foi aprovada por cinco votos a dois. Único parla­mentar a rejeitar a proposta junto com Serginho Carvalho (PHS), o vereador Ayron Freixo (PRB), disse que a bancada oposicionista também recorrerá à Justiça para anular a sessão. Segundo Ayron, de uma hora para outra, o projeto de lei foi avocado, isto é, coloca­do na pauta de forma emergencial sem a análise dos vereadores.

– Não passou por nenhuma comissão da Casa e foi colocado de última hora. Isso a menos de dez dias do recesso – comentou Ayron, que preside a Comissão de Finanças e Orçamento.

*Confira a matéria completa na edição desta quinta-feira da Folha dos Lagos