Assine Já
quarta, 30 de setembro de 2020
Região dos Lagos
28ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8382 Óbitos: 435
Confirmados Óbitos
Araruama 1653 103
Armação dos Búzios 495 10
Arraial do Cabo 252 15
Cabo Frio 2765 149
Iguaba Grande 684 36
São Pedro da Aldeia 1353 54
Saquarema 1180 68
Últimas notícias sobre a COVID-19
policia

Dois policiais militares continuam foragidos

Expulsões de Marcelo Adriano e João Gomes dependem da prisão de ambos

23 janeiro 2016 - 15h29Por Nicia Carvalho

O ex-secretário de Ordem Pública de Arraial do Cabo, Marcelo Adriano, e o ex-vereador de Cabo Frio, João Gomes, continuam foragidos da Polícia Federal. Ambos são apontados pela Operação Dominação 2 como integrantes de um esquema de lavagem de dinheiro que envolve tráfico de drogas e desvio de recursos públicos de Arraial do Cabo. A quadrilha era comandada pelo traficante Carlos Eduardo Freire Barboza, o ‘Cadu Playboy’, preso há um ano. Marcelo e João, ambos policiais, também podem ser expulsos da corporação, que aguarda prisão dos dois para que o processo disciplinar seja realizado.

– Eles não fazem parte do quadro do batalhão, mas o procedimento disciplinar administrativo depende que eles sejam presos, porque os dois têm direito a defesa – explicou o tenente-coronel André Henrique de Oliveira Silva, que assumiu o comando do 25° Batalhão, em Cabo Frio, há treze dias. Antes a corporação era liderada pelo também tenente-coronel Ruy França, que está à frente do efetivo de Itaboraí.

Segundo André Henrique, Marcelo é vinculado à Diretoria Geral de Pessoal da PM e foi cedido pelo Estado do Rio à Prefeitura de Arraial. João, por sua vez, passou a ser ligado, automaticamente, à Diretoria de Inativos e Pensionistas, por ter concorrido às eleições municipais de 2012 e sido eleito como suplente de Aquiles Barreto, ambos do PSB. Assim como João e Marcelo, o empresário cabofriense do ramo imobiliário, Otto Maciokas, também continua foragido. Integrante se apresenta – Victor Canela estava foragido da Justiça, mas se entregou à Polícia Federal no início de dezembro. Ele era apontado como braço direito do ex-presidente da Empresa Cabista de Desenvolvimento Urbano e Turismo, Francisco Eduardo Freire Barboza, o Chico da Ecatur, preso na primeira etapa da operação, em janeiro do ano passado.