Assine Já
quinta, 03 de dezembro de 2020
Região dos Lagos
30ºmax
21ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 12883 Óbitos: 550
Confirmados Óbitos
Araruama 2519 121
Armação dos Búzios 1360 17
Arraial do Cabo 427 16
Cabo Frio 3851 182
Iguaba Grande 1197 41
São Pedro da Aldeia 1997 79
Saquarema 1532 94
Últimas notícias sobre a COVID-19
cachorro

Dog Rock enche de som o Centro de Cabo Frio neste sábado

Latidos e riffs de guitarra dão o tom da programação do evento

20 julho 2014 - 14h14Por RODRIGO BRANCO
Dog Rock enche de som o Centro de Cabo Frio neste sábado

Os desavisados certamente acharam a cena inusitada. De um lado, uma raivosa "tribo" com dezenas de cabeludos vestidos de preto "batendo cabeça"; do outro, um grupo não menos numeroso, cujos membros disputavam espaço e a atenção de adoráveis criaturas peludas de focinho e quatro patas, todas à espera de um novo dono na tenda do Canil de Campos Novos, da Secretaria Municipal de Agricultura e Abastecimento. Estava armado o insólito cenário da primeira edição do Dog Rock, evento realizado no sábado (19) no Corredor Cultural do Charitas, no centro de Cabo Frio, com a finalidade de chamar a atenção para  a causa dos animais domésticos abandonados nas ruas de cidade, problema que tem se agravado, conforme as próprias autoridades admitem.

Entre cumprimentos de roqueiros e músicos, o idealizador do festival, o professor José Francisco de Moura, o Chicão, não escondia a satisfação com o resultado. Ele esperava o pico do público para o final da tarde, o que de fato ocorreu.

- Tá maravilhoso, som da melhor qualidade. Tivemos mais de 50 animais adotados até agora e recebemos quase uma tonelada de ração. Tomara que esse seja o primeiro de muitos eventos - disse Chicão.

O público delirava com o som e a fúria das cabofrienses Cristiano Guerra Band, que abriu a tarde, e da banda de deathcore Fallen Sorrow, que abusou das distorções na guitarra e da voz gutural do vocalista Daniel. Um dos mais animados, apesar de comportado em um canto, o radialista e comunicador da Rádio Ondas FM, Leandro França, um antigo entusiasta do gênero, louvava a iniciativa do professor Chicão.

- Estou achando fantástico. O público do rock é muito próximo. Aliás, a causa do rock une as pessoas. E deste vez, unido por essa "causa animal" é fabuloso. Além disso, esse evento é muito importante para abrir espaço para as bandas da região tocarem. Assim, além de trazer as pesoaos que gostam de rock, também trazem os que gostam de animais. A corrente aumenta e a gente só tem a ganhar com isso - acredita Leandro França.

A expectativa, segundo a página do evento do Facebook, é que em torno de 600 pessoas circulem nas proximidades do Charitas até as 22h, previsão de encerramento dos shows com a banda paulistana Lobotomia. Por fim, até onde pôde apurar a reportagem, a cadelinha "Lola", assim batizada na edição impressa da Folha dos Lagos deste final de semana, parece enfim ter encontrado um novo lar.