Assine Já
segunda, 25 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
30ºmax
21ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 21896 Óbitos: 720
Confirmados Óbitos
Araruama 5363 160
Armação dos Búzios 2875 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 5750 231
Iguaba Grande 1988 50
São Pedro da Aldeia 3048 106
Saquarema 2221 110
Últimas notícias sobre a COVID-19
dívidas

Dívidas e cortes prejudicam serviços na região

Municípios endividados precisam cortar investimentos e cidades sofrem consequências

07 novembro 2016 - 23h29Por Rodrigo Branco I Foto: Arquivo Folha
Dívidas e cortes prejudicam serviços na região

A complicada situação financeira dos municípios da Região dos La­gos é o espelho do que acontece no próprio estado do Rio e no restante do país. De acordo com dados de um levantamento feito pela Confedera­ção Nacional dos Municípios em 39 cidades fluminenses, o déficit nos cofres públicos é de mais R$ 895 milhões. Somente em São Pedro da Aldeia, o buraco é de mais de R$ 30 milhões.

Em Cabo Frio, que não fez par­te do estudo da CNM, a situação é crítica e o reflexo está no colapso dos serviços essenciais, sobretu­do na Saúde. Ontem, por exemplo, duas importantes unidades ficaram sem atendimento – nos hospitais da Criança, no Guarani, e da Mulher, no Braga, os pacientes foram obri­gados a dar meia-volta e buscar aju­da em outro lugar.

Na semana passada, foi o Hospital Central de Emergência que ficou fe­chado durante o feriado de Finados e metade do dia seguinte. A versão oficial deu conta de atraso dos plan­tonistas, mas segundo fontes, dois médicos haviam pedido demissão por não estarem recebendo salários.

Com os vencimentos atrasados em média dois meses, funcionários da Educação estão em greve desde junho. Com a demissão de funcio­nários no mês seguinte, a situação se agravou e pelo menos 15 escolas que permaneciam com aulas, entre elas o tradicional Rui Barbosa, tive­ram que fechar as portas.

Na limpeza urbana, o cenário também é problemático, com irregu­laridade na coleta de lixo em vários bairros. Apesar disso, pelo menos quatro empresas são responsáveis pelo serviço, a última delas – con­sórcio Duna Forte – contratada re­centemente por quase R$ 4 milhões.

Em Arraial, a situação não chega a ser tão assustadora, mas após as eleições, a ordem é apertar o cinto onde puder. O prefeito interino da cidade, Luciano Tequinho (PPS) tem promovido uma série de cortes. Serviços como o transporte públi­co gratuito de estudantes do Ensino para Jovens e Adultos nos distritos também foram cortados. Curiosa­mente, apesar do discurso de caixa vazio, o município tem feito muitas obras. O 13º salário deve ter a pri­meira parcela paga esta semana e a segunda em dezembro, assim como a parcela integral em São Pedro. Já em Cabo Frio, não há previsão.