Assine Já
quarta, 20 de outubro de 2021
Região dos Lagos
18ºmax
14ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52262 Óbitos: 2141
Confirmados Óbitos
Araruama 12321 438
Armação dos Búzios 6516 72
Arraial do Cabo 1720 92
Cabo Frio 14721 876
Iguaba Grande 5469 140
São Pedro da Aldeia 6984 288
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
Cabo Frio

Dívida deixa Sebastião Lan às escuras

Após reclamações de feirantes, parte do débito é pago e energia será religada

27 setembro 2019 - 20h07Por Rodrigo Branco
Dívida deixa Sebastião Lan às escuras
O Mercado Municipal Sebastião Lan, no Jardim Caiçara, em Cabo Frio, está com a energia cortada desde anteontem, em função de dívidas da prefeitura com a concessionária Enel Distribuição. 
 
O problema deixa apreensivos os comerciantes que ocupam barracas e boxes da feira de sexta à domingo. Ao longo do dia, o governo municipal conseguiu pagar parte da dívida. Com isso, a concessionária ficou de fazer a religação, o que não havia ocorrido até o fechamento desta edição. 
O prejuízo, ainda que parcial, é mais uma dor de cabeça para todos os comerciantes, que já trabalham de maneira precária na área externa do mercado há quase um ano, quando o galpão foi interditado por causa de problemas na estrutura.
 
Enquanto a energia não é religada, os feirantes usam de artifícios  para não perder as mercadorias. José Antônio ‘Baiano’ fazia contas para comprar mais gelo, a fim de tentar manter em condições de consumo as carnes, bebidas e outros gêneros perecíveis adquiridos para servir a clientela do box que comanda no mercado. 
 
– Estamos com o freezer cheio de mercadorias. Carne, frango, bebida. Além de nós aqui do box tem o pessoal da peixaria, que tem peixe, camarão, tudo. A gente faz compra para trabalhar domingo. Não é só nós do box, mas o pessoal também usa balança para pesar as frutas – diz ‘Baiano’. 
A estrutura do Sebastião Lan, conforme verificado pela reportagem da Folha, ontem, não está em boas condições. As barracas usadas pelos feirantes na área externa estão em mau estado de conservação. O galpão fechado em 14 de outubro do ano passado por falta de segurança parece não funcionar há mais tempo, dadas as precárias condições de conservação e de higiene.
 
No fim de maio deste ano, a Prefeitura de Cabo Frio chegou a anunciar que o projeto de reforma do espaço estava pronto. As verbas para as intervenções seriam de R$ 2,05 milhões, provenientes de uma emenda parlamentar do ex-deputado Janio Mendes (PDT). Entretanto, até agora, nada foi feito, além de reuniões, segundo os feirantes.
 
 
– Necessitamos trabalhar na feira, não estamos aqui por brincadeira. O prefeito e seus auxiliares sabem que a situação no país está muito difícil. Só temos isso aqui para trabalharmos e estão cada vez mais buscando dificuldades pra nós. Já falaram uma monte de coisa, que ia melhorar essa frente aqui, botar uma cobertura, mas não aconteceu nada. Não podem nos tratar do jeito que estão nos tratando. São muitas promessas. E quem vive de promessa é santo. Precisamos que a coisa seja agilizada – desabafou um feirante que se identificou apenas como José Carlos. 
Outros comerciantes afirmaram que um novo quadro de energia começou a ser montado de forma independente da prefeitura, mas o serviço também não foi concluído.
 
Enel confirma 18 pontos cortados até agora e débito de R$ 16,9 milhões
 
O corte de energia do Mercado Sebastião Lan é mais uma consequência da dívida da Prefeitura de Cabo Frio com a concessionária Enel Distribuição. O complexo comercial popular foi o 18º imóvel municipal a ter o fornecimento interrompido por causa da inadimplência do governo municipal. Segundo a assessoria de comunicação da empresa, a dívida se refere a cerca de R$ 16,9 milhões em faturas vencidas até o mês de setembro de 2019. Parte do montante foi pago ou renegociado, e dez pontos já foram religados.
 
No texto enviado para a reportagem, a Enel disse ainda que “somente tomou a decisão de interromper o abastecimento de energia após tentar negociar o débito em várias ocasiões” e que “a empresa esclarece que o corte foi precedido de notificação, cumprindo a resolução 414 da agência reguladora do setor elétrico (Aneel), e ocorreu em unidades que não prestam serviços essenciais”.
 
 Não foi informado quais prédios públicos estão às escuras, mas entre os que sofrem ou sofreram corte estão o Cras de Botafogo, Cras de Tamoios, Subprefeitura de Tamoios, Ginásio Poliesportivo João Augusto Teixeira Silva, Ginásio Poliesportivo Aracy Machado, Estádio Correão e o Teatro Municipal.
 
Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 29 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições na porta de casa, de terça a sábado. Ligue já: (22) 2644-4698. *Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.