Assine Já
sexta, 25 de setembro de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8032 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1614 102
Armação dos Búzios 477 10
Arraial do Cabo 241 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1309 51
Saquarema 1165 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Dívida

Dívida da Prefeitura de Cabo Frio ultrapassa R$1 bilhão

Valor foi divulgado ontem durante audiência pública na Câmara Municipal

31 maio 2017 - 20h55Por Texto e foto: Rodrigo Branco
Dívida da Prefeitura de Cabo Frio ultrapassa R$1 bilhão

Um bilhão de reais. O valor chamou a atenção entre as muitas cifras apresentadas durante a audiência pública realizada, ontem, na Câmara Municipal de Cabo Frio para prestação de contas da Prefeitura dos últimos quatro meses de 2016 e dos quatro primeiros de 2017. A quantia representa a dívida acumulada ao fim do ano passado, segundo levantamento feito pela secretaria municipal de Fazenda.

Mas o buraco pode ficar ainda mais fundo. Segundo o secretário-adjunto de Fazenda, Paulo César Souza, estima-se que haja outros R$ 200 milhões em débitos a serem levantados pela Procuradoria. No estudo, o rombo está sob a rubrica de ‘restos a pagar’. Apenas em dívidas de curto prazo, são mais de R$ 233 milhões, entre elas, ‘consignações e depósitos’ como, por exemplo, descontos do Plano de Assistência Médico-Hospitalar (PASMH), que não foram repassados.

As dívidas de longo prazo totalizam mais de R$ 843 milhões, o que inclui parcelamentos de débitos com o INSS, o Pasep, o Ibascaf e a concessionária de energia elétrica. Os números considerados ‘assustadores’ pela equipe econômica municipal foram comentados pela vice Rute Schuindt, que representou o prefeito Marquinho Mendes.

– Pegamos o governo quebrado, sem crédito e sem condição de sobrevivência. Estamos acompanhando a luta do prefeito para trazer recurso, mas não é fácil. Sem dinheiro é muito difícil administrar. Para administrar é preciso cortar algumas coisas – disse Rute.

Mas o desempenho ruim não parou por aí. No ano passado, a administração municipal não aplicou o mínimo previsto com Educação, tanto com recursos próprios, quanto com os do Fundeb. Além disso, dos R$ 863 milhões orçados para 2016, foram arrecadados apenas R$ 613 milhões (71%) e empenhados R$ 544 milhões (63%).

A falta de pagamento de vários meses da folha de pagamento em 2016 deixou Cabo Frio dentro do limite de 54% para uso da receita corrente líquida com gastos com a folha de pagamento, previsto pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). O calote junto ao funcionalismo ‘mascarou’ para cima o desempenho do município, mas a conta cairá no colo da atual gestão que, até abril, já tinha comprometido 49,30% das receitas com a folha salarial. Esse número, contudo, deverá subir. Por fim, o secretário-adjunto de Fazenda afirmou que será feita uma tomada de contas especial para saber onde foram aplicados os recursos que não foram executados no orçamento. Dependendo da conclusão, o relatório pode ser passível de reprovação do Tribunal de Contas do Estado (TCE-RJ) e ação no Ministério Público.