Assine Já
segunda, 19 de outubro de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
17ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 9111 Óbitos: 463
Confirmados Óbitos
Araruama 1843 108
Armação dos Búzios 570 10
Arraial do Cabo 273 15
Cabo Frio 2965 162
Iguaba Grande 802 38
São Pedro da Aldeia 1420 60
Saquarema 1238 70
Últimas notícias sobre a COVID-19
distribuição

Distribuição do Caderno Cidades ganha as ruas em São Pedro

Ação de marketing de tablóide conta com a performance de músico e conquista aldeenses

19 setembro 2014 - 16h40Por Rosana Rodrigues|Fotos: Johnny Costa
 Distribuição do Caderno Cidades ganha as ruas em São Pedro

A ação de marketing que marcou a distribuição da segunda edição do Cadernos Cidades nesta sexta-feira (19) em São Pedro da Aldeia teve uma atração especial que conferiu um grande sucesso ao evento. Para animar a manhã dos leitores que passavam pela Praça Plínio Assis Tavares, conhecida como Praça do Canhão, o trompetista Diogo Matos passeou por vários estilos musicais desde os clássicos da MPB até músicas eruditas, o que chamou a atenção dos aldeenses para conferir o conteúdo do tablóide que circula mensalmente pelo município. A publicação da Folha dos Lagos reúne em 12 páginas reportagens sobre cultura, entretenimento, história, personagens, educação, entre outros assuntos.

O vice-prefeito Iédio Rosa, de 72 anos, que esteve no local, lembrou com nostalgia sobre a época em que a cidade ainda contava com os trens como meio de transporte, em referência a uma das reportagens do Caderno Cidades. Ele falou da importância de se resgatar a história e cultura do município, já que muitos moradores desconhecem as origens de São Pedro. Para o vice-prefeito, a iniciativa da Folha pode ser considerada uma relíquia, inclusive para os alunos, que terão uma fonte de consulta com uma linguagem mais dinâmica com o formato tablóide, que, para ele, facilita muito mais a leitura, tornando-a convidativa.

- Trabalhava como doceiro nos trens. Vendia meus doces no trajeto para Cabo Frio e quando não dava para descer na estação de São Pedro esperava o maquinista diminuir a velocidade na curva para saltar da composição. Era uma forma divertida de ganhar dinheiro – brinca, acrescentado que o município tem um projeto relacionado a passeios de barco pela Lagoa, a partir da Praia do Centro até o Sudoeste, com o objetivo de incrementar o turismo.

Para o carteiro Antonio Marambaia, o fato de inserir melodias ao contexto de divulgação do periódico já revela o diferencial proposto pela linha editoria do jornal.

- É muito mais prazeroso ser convidado a conhecer algum produto por meio de um instrumento erudito do que através da voz de uma pessoa ‘massacrando’ a nossa cabeça por intermédio de um microfone. Toda a equipe da Folha está de parabéns, inclusive pelo conteúdo jornalístico do tablóide, o que já é um grande diferencial na cidade e na região – ressaltou o funcionário dos Correios, que é casado com uma cantora gospel e morador do bairro Praia Linda.

E para ratificar a receptividade da edição do jornal vários leitores deram sua contribuição com excelentes sugestões de reportagens para a próxima edição. É o caso do comerciante Paulo Roberto Nadler, de 50 anos, morador do bairro São João, que recomendou alguns temas relacionados ao lazer ao ar livre na cidade.

- O Caderno Cidades é uma excelente iniciativa para os aldeenses, que agora podem contar um canal de comunicação, onde os moradores possam estar inseridos. Era realmente o que estava faltando para a cidade, um espaço com o qual o morador se identifique, opine, sugira. Excelente projeto – festejou o comerciante.

Já a cabeleireira Sara Wagner York, de 38 anos, que atende no centro da cidade, não poupou elogios ao periódico:

- Sou estudante do curso de Letras e este projeto irá me auxiliar muito nos meus estudos. Toda iniciativa que facilite o acesso à informação é muito bem vinda. Moro somente há um ano na cidade, mas estou adorando iniciativas louváveis como esta.

O aposentado Nilson Lima festejou ao ver um amigo de infância em uma das reportagens da edição:

- Exatamente de jornais como estes que precisamos. Uma edição gratuita que fale da nossa gente, da nossa terra. Ver a nossa realidade refletida em um periódico. Muito bom!

A comerciante Shirley Maria Teixeira, de 48 anos, que nasceu e foi criada na cidade diz que não tem nada contra a visita de turistas nos meses de alta temporada, no entanto, lembra que são os moradores da cidade que mantêm o seu negócio, iniciado em 1985:

- É um belo presente para a população aldeense, que precisava de iniciativas como estas: conhecer suas próprias histórias, lendas, ‘causos’. Muitos pensam que a nossa cultura se resume a uma praça, uma casa de azulejos e algumas praias. Temos que valorizar as nossas origens, histórias dos pescadores, que construíram a nossa cidade; a nossa feira livre, que oferece produtos frescos cultivados pelos próprios feirantes e tantos outros assuntos que falam sobre cada pedacinho da cidade – ressaltou a comerciante