Assine Já
sábado, 19 de setembro de 2020
Região dos Lagos
31ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7728 Óbitos: 407
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2528 136
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
diretoria

Diretoria dá cartada final para reaver alfandegamento do Porto do Forno

Diretor jurídico entrou na Justiça Federal de São Pedro para obrigar Receita

20 agosto 2016 - 12h42Por Rodrigo Branco
Diretoria dá cartada final para reaver alfandegamento do Porto do Forno

A direção do Porto do Forno, que fica em Arraial do Cabo, tenta o que pode ser considerada uma cartada decisiva para reaver o alfandegamento do terminal, retirado pela Receita Federal em dezembro do ano passado.

O diretor jurídico da companhia, Jorge dos Santos Júnior, o Kiko Jorge, afirmou que entrou na Justiça Federal de São Pedro da Aldeia para tentar obrigar a Receita a rever as exigências feitas ao Porto para conceder novamente a permissão alfandegária.

Segundo o advogado, o objetivo é convencer a Justiça de que as atuais exigências feitas pela Receita, previstas na Portaria 3518, não impedem o funcionamento do terminal com o alfandegamento.

– Entramos com essa ação para que o Porto possa funcionar independentemente dessas exigências que não são tão necessárias. Não havia necessidade de suspender o alfandegamento por causa delas. Esses requisitos não se fazem necessários e não se adequam às atividades desenvolvidas no Porto – alega Kiko Jorge, que já tinha entrado com outra ação semelhante em maio.

Paralelamente ao caminho jurídico, a empresa tenta se adequar no campo administrativo. De acordo com Kiko Jorge, apesar de não haver necessidade de resolver as pendências exigidas, o Porto já as cumpriu.

– As exigências já foram todas cumpridas. Os auditores, inclusive, vêm nesta terça para atestar o cumprimento e enviar um relatório à Receita para que isso seja resolvido administrativamente – finaliza.

Mas ao que tudo indica, a situação não é tão simples. De acordo com a delegacia da Receita Federal de Niterói, responsável pela fiscalização da área onde funciona o Porto do Forno, as pendências continuam. Por outro lado, o órgão afirmou que uma visita de inspeção está marcada, mas não a confirmou para esta semana.

É grave a crise – Matéria publicada na edição do último fim de semana expôs a situação delicada pela qual o único terminal portuário de toda a região está passando nos últimos meses.

Por causa da escassez de serviços, agora praticamente restritos a trocas de turno, os salários dos diretores estão atrasados há meses, enquanto o restante da folha tem sido quitado fora do dia certo com frequência. Parte dos vencimentos de alguns servidores é pago, inclusive, com ‘vales’.
Funcionários também denunciam a falta de condições de trabalho no local.

– Pegaram o galpão de uma empresa cheio de sujeira, com cocô de pombo. Uma imundície mesmo. Levou tempo pra acertar essa primeira parte. E com isso, apareceram outras coisas: acesso errado das pessoas no porto; área alfandegada sem fiscalização do porto; área com material importada sem cercas. Também não tem mais segurança tem tempo – descreve a fonte, que pediu para não ser identificada.
Segundo informações internas do Porto, a empresa tem uma dívida de mais de R$ 5 milhões junto à Receita Federal, o que não foi confirmado.
Mas nem tudo é má notícia. Indispensável para funcionamento, a licença ambiental foi renovada pelo Ibama, mas só tem validade a partir do pagamento de uma taxa de R$ 42 mil.

As denúncias são recebidas pelo canal “Fala Aí”, serviço prestado por meio do Whatsapp, aplicativo de mensagens instantâneas para smartphone, que possibilita uma troca de informações de forma prática e eficaz dos moradores/visitantes com o governo. O canal funciona através do número (22) 99949-3936.