Assine Já
sábado, 26 de setembro de 2020
Região dos Lagos
29ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8076 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1625 102
Armação dos Búzios 483 10
Arraial do Cabo 242 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1323 51
Saquarema 1177 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Diretor da Comsercaf é preso por envolvimento em quadrilha de desmanche de carros

Diretor da Comsercaf é preso por envolvimento em quadrilha de desmanche de carros

Dos 11 mandados de prisão dois foram cumpridos e outras quatro pessoas estão foragidas

19 fevereiro 2016 - 12h12

O diretor de serviços da Companhia de Serviços Públicos de Cabo Frio (Comsercaf), em Tamoios, no 2° distrito, Hugo Jorge de Almeida Gonçalves, e Heronide Pereira de Araújo Filho, foram presos na manhã desta sexta-feira (19). Ambos fazem parte dos 11 mandados de prisão preventiva que foram cumpridos na operação conjunta entre o MP e as polícias Civil, Militar e Federal que investiga ações de roubo, receptação e desmanche de carros. Outras quatro pessoas estão foragidas e cinco já estavam presas. As investigações tiveram início após latrocíno em 2014, na rodovia RJ-124, Via Lagos.

A Operação, denominada Ali Babá, foi comandada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) e contou com a participação de 85 homens e 25 viaturas das forças policiais. A ação também cumpriu 15 mandados de busca e apreensão. 

Hugo é apontado como líder do bando, que atuava no Rio de Janeiro, na Baixada Fluminense e na Região dos Lagos, em especial nas cidades de Campos dos Goytacazes, Macaé, Rio das Ostras, São Pedro da Aldeia e Cabo Frio. Eles são acusados pelos crimes de organização criminosa (milícia), latrocínio, roubo, peculato e adulteração de sinal de veículo automotor. A operação aconteceu simultaneamente em bairros de Cabo Frio e do 2º distrito, Tamoios, além de cidades da Baixada Fluminense. Até o momento, as polícias Federal e Civil não divulgaram o que foi apreendido.

Funcionamento da quadrilha – Conforme a denúncia ao MP, os integrantes praticavam roubos, além de furtos de veículos e caminhões, que depois eram revendidas para ferros-velhos e receptadores na região de Campos dos Goytacazes. Segundo o órgão, a quadrilha agia sempre mediante graves ameaças com o uso de armas. Outras atividades do grupo seriam roubos a casas lotéricas e homicídios encomendados. 

Latrocínio na Via Lagos –  As investigações tiveram início a partir de um latrocínio cometido em julho de 2004, na rodovia RJ-124 (Via Lagos). Dois policiais militares transportavam R$ 6 milhões, a serviço da Trans Expert Vigilância, a bordo de um Toyota Corolla, quando foram abordados a tiros de fuzil disparados por membros da milícia. Valério Albuquerque Mello Filho, que dirigia o veículo, morreu. O outro PM se jogou do carro em movimento e escondeu-se no mato, escapando dos disparos. Do total transportado, R$ 4 milhões foram roubados.

Saiba Mais

Morte do soldado Valério é investigada pela Delegacia de Roubos e Furtos do Rio