Assine Já
segunda, 21 de setembro de 2020
Região dos Lagos
22ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7728 Óbitos: 407
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2528 136
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
salários errados

Diferenças de até R$ 1.000 nos salários revoltam servidores

Prefeitura de Cabo Frio nega erro no pagamento e diz que casos serão resolvidos individualmente

19 novembro 2015 - 09h41

Aguardados com ansiedade, os salários de outubro até bateram nas contas pelos servidores contratados da Educação, conforme anunciado pela prefeitura, mas o gosto de decepção foi inevitável. Logo surgiram diversas reclamações de funcionários, cujos vencimentos foram depositados com descontos que variam de R$ 50 até R$ 1.000. De outro lado, a administração municipal nega o erro e diz que as divergências precisam ser levadas ao setor de Recursos Hu- manos da prefeitura ou da secretaria de Educação.

Entre os prejudicados está o professor de Educação Física Alex Sandro de Souza, da Esco- la Municipal Achilles Almeida Barreto, no Jacaré. Aprovado no concurso público de 2009, Alex Sandro é contratado da prefeitura graças a uma liminar conseguida na Justiça. O professor, que tem salário-base de R$ 1.300, recebeu anteontem apenas R$ 727,78. Sem uma explicação que o convencesse, Alex Sandro foi atrás de justificativas na prefeitura para a diferença, mas ele admite que, apesar disso, ainda não sabe o que vai fazer depois do baque.

– Na verdade, eu já estava recebendo a metade do que deveria receber como concursado. En- tão, esse mês eu recebi a metade da metade do salário. Eu estava me virando pegando dinheiro no cheque especial, mas como ele ficou ‘virado’ muito tempo, sem entrar dinheiro, o banco cortou. Todo mês contava receber para pagar o débito e o restante para fazer compras – relata Alex Sandro, que tem mulher e um filho.

Já uma servidora que não quis se identificar, por medo de represálias, disse que recebeu a informação de que muitos servidores que anteriormente trabalhavam em escolas foram remanejados para a sede da secretaria e tiveram descontos salariais de até R$ 1.000, mas sem redução da carga horária, que é de 40 horas semanais.

– Muitos têm que se submeter a isso porque não são efetivos e precisam trabalhar. Tem Justi-ça para nos defender? É muito complicado. Já não tem reposição e agora é isso. Para o go- verno, quem não quiser que vá embora. É muita sacanagem isso – desabafa a funcionária.

O secretário municipal de Comunicação, Edinho Ferrô, informou que as diferenças salariais não são ‘erros coletivos’ e que os problemas devem ser resolvidos caso a caso.

– Qualquer servidor da prefeitura que ache que o pagamento não veio de forma correta tem que procurar o RH para saber o que houve. Não há erro coletivo. Essas questões têm que ser resolvidas individualmente – afirma.