Assine Já
domingo, 11 de abril de 2021
Região dos Lagos
30ºmax
19ºmin
Alerj
Alerj REC
TEMPO REAL Confirmados: 32434 Óbitos: 1183
Confirmados Óbitos
Araruama 8059 252
Armação dos Búzios 4018 49
Arraial do Cabo 1143 56
Cabo Frio 8778 419
Iguaba Grande 3162 76
São Pedro da Aldeia 4462 178
Saquarema 2812 153
Últimas notícias sobre a COVID-19
dia internacional da mulher

Dia Internacional da Mulher: a comemoração que vira luta

Mulheres descartam festas e ressaltam necessidade de conscientização

08 março 2017 - 11h33
Dia Internacional da Mulher: a comemoração que vira luta

Em pleno dia oito de março, ninguém melhor para ser ouvido do que elas: as homenageadas do dia rejeitam o rótulo comemorativo do Dia Internacional da Mulher e veem a data como momento de luta. A Folha foi às ruas e ouviu das mulheres cabofrienses reclamações de todos os tipos.

– Tem muita coisa para melhorar. É muito preconceito com mãe solteira, por exemplo. Além disso, há aqueles problemas como abuso, violência doméstica, diferença salarial entre homens e mulheres – afirma a vendedora Camila Medeiros, de 28 anos.

Já a professora Maria Isabel Mesquita, 69, deseja a igualdade salarial e o fim das agressões sofridas pelas mulheres.

– As conquistas ainda têm muita coisa a melhorar. As mulheres têm sido alvo de muita violência do marido e, às vezes, até dos filhos. O salário também é baixo. No meu caso, por exemplo, já ganho pouco e ainda há desigualdade entre mulheres e homens. Assim não dá.

A equidade nos pagamentos também foi ressaltada pela aposentada Silésia Espíndola, 62, que tem esperança na igualdade de gênero.

– Tem muito preconceito dos homens em relação ao emprego. Eles acham, não sei o porquê, que devem ganhar mais. Às vezes, a mulher trabalha muito mais e acaba ganhando menos – critica.

A artista circense Júlia Lima, 25, aproveita a data como lembrança de tudo que a mulher passa devido ao machismo.

– Não é uma comemoração, mas sim uma lembrança em relação a tudo que a mulher sofre e vive ou sofreu e já viveu. Muitas vezes o machismo está junto com as mulheres, porque nascemos e vivemos dentro dele – diz.

Há até quem deixe de sair de casa por medo.

– As mulheres passam por muita coisa. Eu mesma tenho medo de sair de casa sozinha à noite. Raramente saio. Tenho medo que aconteça alguma coi- sa como estupro. Nem levo minha filha pequena para sair por medo disso – conta a estudante Greyca Justino, de 19 anos.

Na foto, mulheres gratifam nas grades do Cháritas no Dia Internacional da Mulher.