Assine Já
terça, 19 de outubro de 2021
Região dos Lagos
20ºmax
17ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52181 Óbitos: 2123
Confirmados Óbitos
Araruama 12321 438
Armação dos Búzios 6500 72
Arraial do Cabo 1720 92
Cabo Frio 14677 858
Iguaba Grande 5464 140
São Pedro da Aldeia 6968 288
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
Geral

Desmonte de plataformas pode gerar 50 mil empregos

Com encerramento de atividades na Bacia de Campos, investimentos podem chegar a R$ 50 bilhões

12 setembro 2019 - 19h19
Desmonte de plataformas pode gerar 50 mil empregos

O Governo do Estado espera que o encerramento das atividades de 21 plataformas na Bacia de Campos, no Norte Fluminense, resulte em investimentos da ordem de R$ 50 bilhões e a geração de cerca de 50 mil empregos, nos próximos anos, no Estado do Rio, em especial para os municípios produtores. O descomissionamento das plataformas inclui operações de desmontagem e desinstalação dos equipamentos existentes nas atuais estruturas. 


De acordo com a Secretaria Estadual de Desenvolvimento Econômico, Emprego e Relações Internacionais, as 21 unidades pertencem à Petrobras ou estão a serviço da empresa, pelo sistema de afretamento. 


– Simplificando, é a retirada das plataformas de onde elas estão. O campo de petróleo tem um ciclo de vida. Ele produz, produz, produz e depois entra em declínio. Depois, esse campo passa ser economicamente inviável e as empresas de petróleo tem que abandonar a produção, mas não pode simplesmente largar o equipamento. Então eles são obrigados a descomissionar, ou seja, retirar e dar uma destinação a esses equipamentos – afirma o administrador e especialista no setor de óleo e gás, Leandro Cunha.


Espera-se que o fim das atividades movimente toda a cadeia logística, abrindo vagas nas áreas de transporte marítimo e terrestre; armazenagem e operações portuárias, entre outras. A retirada de equipamentos submarinos, como as âncoras também devem gerar demanda por mão de obra, aponta o especialista.


Apesar da desativação dessas plataformas, a arrecadação dos municípios e do estado, como um todo, não deve cair.


– O mais interessante é que tudo isso não vai influenciar nem na arrecadação dos royalties, nem na produção de petróleo, porque o pré-sal acaba de jorrar óleo e gás, com a alta produtividade de poços da importante província produtora, diferentemente de muitas áreas da Bacia de Campos, já em declínio – afirmou o secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Lucas Tristão, em entrevista ao portal ‘O Petróleo’.


Está prevista para outubro a publicação pela  Agência Nacional do Petróleo (ANP) da atualização da regulamentação para desativação de instalações, devolução de áreas, alienação e reversão de bens dos poços de petróleo. O objetivo é adequar tais regras aos demais regulamentos de segurança operacional e meio ambiente, editados posteriormente à sua publicação, e à Lei de Partilha.

 

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 29 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições na porta de casa, de terça a sábado. Ligue já: (22) 2644-4698. *Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.