Assine Já
sexta, 03 de julho de 2020
Região dos Lagos
22ºmax
15ºmin
TEMPO REAL Suspeitos: 325 Confirmados: 2946 Óbitos: 179
Suspeitos: 325 Confirmados: 2946 Óbitos: 179
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 260 584 40
Armação dos Búzios X 246 6
Arraial do Cabo 11 73 11
Cabo Frio X 922 58
Iguaba Grande 13 207 20
São Pedro da Aldeia 32 443 16
Saquarema 9 471 28
Últimas notícias sobre a COVID-19
desemprego

Desemprego no Brasil chega a 6,9% em junho

Número é o maior desde o mesmo mês de 2010

24 julho 2015 - 11h59

O desemprego em junho fi­cou em 6,9%, 2,1 pontos per­centuais maior que o de junho do ano passado (4,8%), segun­do o Instituto Brasileiro de Ge­ografia e Estatística (IBGE). É a maior taxa de desemprego para o mês desde 2010, quando o índice chegou a 7%. Em re­lação a maio deste ano, a taxa de junho é 0,2 ponto percentual maior, como mostra a Pesquisa Mensal de Emprego (PME) di­vulgada ontem.

Em junho deste ano, havia 1,7 milhão de pessoas deso­cupadas, resultado estável em relação a maio. No entanto, a pesquisa mostra um aumento de 44,9% (mais 522 mil) no percentual de pessoas desocupa­das em relação a junho do ano passado. Já a população ocupa­da em junho deste ano era 22,8 milhões, também estável em comparação a maio. No entan­to, houve um recuo de 1,3%, ou menos 298 mil pessoas ocupa­das, na comparação com junho do ano passado.

Em junho, a população não economicamente ativa man­teve-se em 19,3 milhões de pessoas. População não econo­micamente ativa é um concei­to elaborado para designar a população que não está inseri­da no mercado de trabalho ou, então, que não está procurando exercer algum tipo de atividade remunerada

O número de trabalhadores com carteira assinada no setor privado ficou em 11,5 milhões no mês passado. Na compara­ção com junho de 2014, houve queda de 2%, menos 240 mil pessoas.

A pesquisa indica que o ren­dimento médio real habitual do trabalhador subiu 0,8% de maio para junho, ficando em R$ 2.149,10. Mas recuou 2,9% em relação a junho do ano passado. Já a massa de rendimento mé­dio real habitual ficou estável de maio para junho, R$ 49,5 bilhões. Em relação a junho de 2014, a massa de rendimento caiu, tendo ficado em 4,3%.