Assine Já
quarta, 27 de outubro de 2021
Região dos Lagos
24ºmax
19ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52450 Óbitos: 2151
Confirmados Óbitos
Araruama 12382 441
Armação dos Búzios 6530 73
Arraial do Cabo 1736 93
Cabo Frio 14792 880
Iguaba Grande 5486 140
São Pedro da Aldeia 6993 289
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
Geral

Descaso irrita moradores do Novo Portinho

Mesmo após insistentes reclamações, problemas como esgoto a céu aberto persistem há dois anos

21 maio 2019 - 08h33
Descaso irrita moradores do Novo Portinho

Esgoto a céu aberto, falta de manutenção das caixas de drenagem de água pluvial e poda irregular da vegetação dos canteiros. Esse é o cenário do Novo Portinho, em Cabo Frio. Moradores alegam que os problemas persistem há pelo menos dois anos, apesar das insistentes reclamações feitas à prefeitura. 

Na esquina das ruas Cristal e Granito, o esgoto mina o dia inteiro, causando transtornos para todos ao redor. O morador José Luiz Pinto, 63 anos, ressalta que o problema independe dos períodos de chuva.       

– Isso ocorre independente de chover ou não. Sempre foi assim. E quem mora ali mais perto do problema reclama que não consegue escoar seu esgoto, porque está sempre entupido – disse.

Mas, quando chove, a situação piora:

– Quando chove, tudo piora, porque as caixas de água pluviais estão todas entupidas ou quebradas, e como a água não tinha como escoar direito, começou a inundar a rua inteira e invadiu o condomínio. É perigoso porque mistura com o esgoto, e nós ficamos preocupados em pegar alguma doença – completou José Luiz. 

O aposentado José Cardoso, de 65 anos, relata o aparecimento de animais peçonhentos. 

– Podemos pegar doenças com o esgoto, principalmente quando chove e água avança. Também aparecem animais de todos os tipos, como lacraias, ratos e até cobras, como eu cheguei a pegar uma vez aqui dentro do condomínio. Além disso, tem o problema dos mosquitos, que com a água parada se proliferam e inclusive já teve gente doente aqui na rua por conta de dengue e chikungunya – afirmou. 

O professor e fisioterapeuta Fernando Ribeiro, de 48 anos, se preocupa com a água parada, por conta da proliferação de mosquitos Aedes aegypti. 

– O que a gente sente é indignação, porque nós é que somos os pagadores de imposto, e queremos que as coisas funcionem bem. Não é um favor, é uma obrigação. A gente vê que claramente o que existe aqui é a falta de manutenção. E por conta desse problema, aqui tem muita larva de mosquito da dengue. Da última vez que chamamos um grupo da prefeitura, eles colocaram produto contra a larva, mas avisaram que aqui não tinha muito que fazer, porque a água continuava a minar. Tem muita criança aqui, então essa é a nossa maior preocupação, porque não é só a dengue, tem também chickungunya e zika – explicou.

 O zelador Júlio César, de 34 anos, classificou a situação como um “caos” e citou o exemplo de um carro que caiu em um buraco na Rua Cristal, no último domingo. 

– Essa situação é um caos. E é uma situação antiga, porque, quando fizeram uma obra de saneamento aqui, não ficou legal. Inclusive, lá no final da rua, teve um carro que caiu em um buraco neste domingo, que eu creio que tenha sido por conta dessa obra que foi mal feita. Eles mexem sempre, mas nada é resolvido. Eu não sei se é maquiagem, mas nada funciona. Acaba sendo um prejuízo para todos os que moram por aqui. 

Prefeitura diz que poda e desobstruções são feitas “regularmente”

Procurada pela Folha, a prefeitura informou por nota que “vem mantendo equipes da Comsercaf realizando a limpeza nas ruas do Novo Portinho até que todo o lixo acumulado seja removido, assim como a poda de árvores e desobstrução de bueiros, que são feitos periodicamente, seguindo um cronograma da autarquia”. 

A nota diz ainda que “agentes da coordenadoria de Meio Ambiente estiveram no local avaliando a situação que envolve os animais e concluiu que os aparecimentos se deveram à inundação, que os fez sair de seus habitats, e que não há riscos para a população”. 

Além disso, de acordo coma prefeitura, a Secretaria de Obras também enviou agentes para verificar a necessidade de ações pontuais, e não foi constatada situação de risco.