Assine Já
sábado, 25 de setembro de 2021
Região dos Lagos
23ºmax
17ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 51256 Óbitos: 2089
Confirmados Óbitos
Araruama 12211 437
Armação dos Búzios 6305 64
Arraial do Cabo 1689 90
Cabo Frio 14244 839
Iguaba Grande 5384 138
São Pedro da Aldeia 6892 286
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
Cabo Frio

Depois de protestos e rodadas de negociação, impasse sobre salários da Educação continua

Dia de calor, tensão e mãos vazias

11 dezembro 2015 - 09h36Por Rodrigo Branco

O mormaço provocado pelo sol escondido entre as nuvens, além de aumentar o calor registrado ontem, potecializou um clima de tensão la­tente, que parecia prestes a explodir. No mais contundente ato desde que os atrasos salariais começaram a se tor­nar constantes, há três meses, os servi­dores municipais da Educação foram às ruas para protestar pela falta do pa­gamento de novembro e pelo não aten­dimento da pauta de reivindicações da categoria que inclui enquadramento por função, mudança de nível e crédito do vale-transporte, entre outras.

No entanto, apesar da mobilização e depois de duas reuniões com represen­tantes do governo, professores e fun­cionários novamente saíram de mãos vazias, sem uma solução para o im­passe. Antes disso, muito suor, espera e estresse. Depois de acompanharem a sessão da Câmara e promoverem uma passeata pela Avenida Assunção, os manifestantes voltaram à praça Tira­dentes e, então o clima ficou pesado.

Se no dia anterior os guardas ocu­param a sede do governo para pleitear, com sucesso, o pagamento dos salários atrasados, desta vez eles tinham ordem para não deixar ninguém entrar. Houve um princípio de confusão quando os servidores tentaram forçar a entra­da na prefeitura e foi pedido o reforço da Polícia Militar. Os manifestantes ensaiaram fazer um cordão de isola­mento para impedir a entrada e a saída de pessoas do prédio, mas logo desis­tiram da ideia. Quem tentava furar o bloqueio, no entanto, era hostilizado.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta sexta-feira (11)